09.04.2016

Porque Parei de Tomar Pílula Anticoncepcional

E não pretendo voltar!

Prometi que atualizaria vocês sempre que possível sobre a suspensão da pílula, e como tiveram muitas perguntas, preferi esperar a consulta com o meu médico, pra ver o resultado de todos os exames e só depois vir aqui falar com vocês e, enfim, explicar porque parei de tomar pílula anticoncepcional.

Como já disse por aqui antes, tomei pílula por 18 anos de forma ininterrupta para não menstruar (veja aqui: Sobre não menstruar por 18 anos) e me recuso a demonizá-la, porque, gostem ou não, ela ajudou e ajuda milhões de mulheres em todo o mundo, e não dá pra negar isso, sabe? No mais, o fato de, nesse momento, ela ter causado problemas não é justificativa pra negar os inegáveis benefícios que ela proporcionou não só pra mim, mas para as mulheres do mundo todo.

E, antes de “começar” a falar sobre os meus motivos para suspender o uso do anticoncepcional, quero deixar claro que o que aconteceu comigo não vai, necessariamente, acontecer com todo mundo, porque cada organismo responde de uma forma, e eu não tenho a menor intenção de levantar bandeiras contra o uso da pílula. A minha bandeira é, e sempre será, a da escolha pessoal, desde que bem informada e responsável.

parei de tomar pílula anticoncepcional juro valendo

Porque Parei de Tomar Pílula Anticoncepcional

Há alguns anos comecei a ter problemas hormonais e precisei fazer a reposição da progesterona e do cortisol, esse último por causa da fadiga adrenal crônica, além de outras coisas, como melatonina, vitamina D, etc.

A reposição do cortisol foi uma benção na minha vida, porque vivia exausta sem motivo (Reposição de cortisol: eu faço), assim como a da melatonina, que regulou meu sono e acabou com a minha insônia (Reposição de melatonina: pra dormir muito melhor) e da progesterona, que estava muito baixa e, junto com o estrogênio alto, causava a minha TPM (Reposição de Progesterona), que era absurda e melhorou bastante com a reposição.

Com o tratamento, passei um tempão super bem, mas nessa de “tô sem tempo” acabei deixando a coisa meio de lado, meio capenga, e no final do ano passado comecei a sentir um monte de coisas, inclusive febre com hora marcada, apatia, falta de concentração e uma dificuldade enorme para emagrecer, dentre outras coisas que comentei lá no Snapchat (jurovalendo, segue lá!).

Como febre baixa com hora marcada é meio que um alarme, procurei meu médico e fiz todo tipo de exame que vocês puderem imaginar, até pra descartar alguma coisa mais séria, mas não deu nada (exceto níveis hormonais extremamente baixos), e a febre desapareceu quando fui pra Porto Seguro e passei vários dias de pernas pro ar (Existe febre chantagista? Tô desconfiada…).

Só que os outros sintomas continuaram, e cada vez mais fortes. Acontece que nessa agonia de começo de ano acabei protelando as coisas e enrolando pra marcar consulta, mas pelo menos segui a recomendação de suspender o anticoncepcional, já que todos os meus médicos achavam que os meus sintomas estavam relacionados ao meu descontrole hormonal, e que isso tinha relação com o uso ininterrupto do anticoncepcional por tanto tempo.

parei de tomar pílula anticoncepcional juro valendo

Nos exames do final do ano passado meus níveis de Estradiol, Progesterona (que eu já fazia reposição), LH, FSH, Testosterona e Dehidroepiandrosterona (DHEA) estavam absurdamente baixos, então além de suspender o anticoncepcional pra ver como o meu organismo reagiria, comecei a fazer a reposição dos hormônios, e aí é uma novela porque o DHEA, por exemplo, não pode ser vendido no Brasil (assim como a melatonina…), então sobre algumas coisas eu nem posso falar por aqui.

Mas, o fato é que a suspensão do anticoncepcional e a suplementação dos hormônios têm me ajudado muito, e a diferença mais visível é no meu ânimo, na minha alegria e no meu humor, o que afeta diretamente a minha qualidade de vida, porque eu estava tão apática que cheguei a cogitar que isso era um quadro depressivo.

Mas não era, era carência hormonal mesmo, e existem dezenas de estudos que falam exatamente sobre isso, sobre a “depressão hormonal”, então acho que vale o alerta, sabe?

Claro que nem tudo são flores, principalmente no início, e é lógico que tô odiando ter que menstruar e detestando essa oleosidade louca na pele e no couro cabeludo (falei disso nesse post: Vivendo sem pílula), mas os benefícios que tenho tido superam isso aí de lavada.

A cada dia me sinto melhor, mais viva e mais animada (a libido melhora muitoo, viu, gente? Acho digno avisar! rs), e enquanto estiver me sentindo assim não passo nem perto da pílula e não largo, por nada no mundo, meus hormônios!

Alguma de vocês já passou por isso? Divide aí com a gente! E fiquem tranquilas que quando sentir qualquer coisa diferente volto aqui e conto pra vocês!

Beijos, Ju♥

Siga nossas Redes Sociais ⇒ Instagram ♥ Snapchat ♥ Twitter ♥ Pinterest ♥Facebook⇒   @jurovalendo

14.03.2016

Insônia: 3 Dicas Que Funcionaram Comigo

Porque dormir é bom demais!

Insônia é uma praga, e em várias fases da vida tive dificuldade para dormir, mas por motivos diferentes, porque sim, essa praga pode ter várias causas e é muito importante investigar direitinho, porque é aquilo que eu sempre falo: a gente só acaba com o problema quando dá fim a causa dele, o resto é balela.

Óleo Essencial de Lavanda

Uma coisa que sempre funcionou bem, em maior ou menor grau, e que uso até hoje é o óleo essencial de lavanda, que já falei aqui no blog.  Ele possui propriedades calmantes e relaxantes e, por isso, ajuda a dormir melhor, sobretudo quando a causa da insônia é a ansiedade, a agitação e aquele estresse “básico” do dia a dia.

Aplico uma gotinha nas têmporas e no pulso, e também jogo uma gotinha no travesseiro, e sempre me sinto melhor, fico mais tranquila e durmo mais facilmente.

Dizem que ela também ajuda a purificar pessoas e ambientes, proteger das energias negativas e trazer paz, mas expliquei tudo direitinho, detalhadamente, nesse post aqui: Óleo Essencial de Lavanda Pra Dormir Melhor.

Faça o “Preparo”

Sempre fui muito “da noite”, sempre rendi melhor durante esse período, então era o momento em que fazia academia, estudava (a base de muito café rs), fofocava com as amigas, fazia e acontecia, o que dificultava entrar no ritmo pra dormir, sabe?

Hoje aprendi que devo evitar qualquer coisa que me deixe muito agitada durante a noite, inclusive atividades e alimentos, e isso me ajuda muito. Então, lá pras 21 hs  tomo um banho com a água um pouco mais morninha (detesto, só gosto de banho frio rs), faço um chá relaxante (maracujá, capim limão, cidreira, o que tiver em casa), leio um pouco, vou reduzindo a quantidade de luzes acesas em casa, deixando tudo mais silencioso, uso meu óleo de lavanda, tomo minha melatonina e durmo feito anjo! rs

Fazer esse “preparo” ajuda o corpo a entender que é hora de relaxar, de parar, e aí fica bem mais fácil dormir.

O fim da insônia: Melatonina

Mas, o que curou mesmo o meu problema, que já foi bem grave, foi a melatonina, que, simplificando, é o “hormônio do sono”. Não vivo mais sem essa maravilha nem a pau, e acho um absurdo que a venda seja proibida aqui no Brasil.

Ela regula o sono e não vicia, e depois dela nunca mais soube o que era querer dormir e não conseguir, sabe? Já falei muito dela por aqui, ó só:

E vocês, têm alguma dica pra lidar com essa bendita? Contem aí, assim todo mundo se ajuda!

Beijos, Ju♥

10.03.2016

Vivendo Sem a Pílula: O Primeiro Mês

Prometi pra vocês que viria aqui regularmente contar como estava sendo a experiência de viver sem a pílula anticoncepcional, e já está na hora de atualizar a coisa, porque as minhas impressões já mudaram bastante desde o último post.

Pra quem está chegando agora e não está entendendo nada, sugiro a leitura dos dois primeiros posts:

Vivendo sem a pílula: o primeiro mês

Suspendi o uso do anticoncepcional dia 27/01, depois de 18 anos de uso contínuo, por razões médicas, e estava cheia de dúvidas: será que teria cólica de novo? A menstruação viria forte? A TPM voltaria violenta? Meu humor mudaria?

Bom, a primeira semana foi um festival de complicações, talvez pela falta de hormônios sintéticos, e eu fiquei bem louca: irritada, sensível demais, apática, cansada, sem conseguir me concentrar em nada e chorando por qualquer motivo. Ou melhor, chorando sem motivo.

Na segunda semana o jogo virou e, de repente, comecei a ter ânimo para as coisas, parecia uma criança, com vontade de fazer tudo. Fiquei super animada porque, ao contrário do que li na net, não tive piora na oleosidade da pele e nem no cabelo, e comecei a sentir o corpo desinchar mais.

Tudo estava indo bem demais. E melhorou ainda mais em algumas coisas, só que piorou em outras.

Vivendo sem a pílula: o que piorou?

Menstruei, foi coisa rápida, e minha cólica não foi monstruosa, nada que um remedinho não desse jeito. A TPM, na verdade, chegou junto com a menstruação e não foi violenta. Que sorte a minha!

Depois disso minha vontade de fazer as coisas aumentou 100%, tô me sentindo muito mais viva, mais alegre, mais vibrante, sabe? E minha libido, bom, tá melhor do que nunca! hahaha

Isso é muito importante e acho essencial falar sobre, porque é um absurdo ver mulheres jovens, no auge da sexualidade, com a libido no chão. Isso não é normal, não tem que ser assim, de verdade.

Meu apetite, principalmente aquela vontade de beliscar todas as besteiras do mundo, que geralmente aparecia de noite, está cada vez menor, o que é muito bom, e minha circulação melhorou muito, e isso, junto com o fato de estar desinchando, tem dado uma diferença boa na celulite.

Mas, nem tudo são flores, e o fato é que de umas semanas pra cá minha pele e meu cabelo, que até então estavam normais, começaram a jorrar óleo. Sério, tá complicado!

Não tô tento espinhas nem nada disso, mas faz anos que não tenho uma pele tão oleosa assim, e lidar com uma raiz que parece produzir toneladas de óleo por segundo não tem sido lá muito legal, mas acredito que isso vá se regularizar aos poucos, até por causa da reposição de hormônios que, no meu caso, é essencial, pois tive supressão do eixo hormonal.

Tô me sentindo melhor sem a pílula!

O fato é que por mais que esteja chateada com a parte ruim e com ter que voltar a menstruar, tô me sentindo muito melhor, e, por algum motivo que não sei explicar, mais dona de mim, então tenho levado tudo numa boa. Ainda bem!

Mas, como já disse antes por aqui e faço questão de repetir, a pílula não é, necessariamente, uma vilã, gente. Vilã é a falta de informação adequada. Vilão é o médico que não investiga nada e receita qualquer anticoncepcional. Vilã é você que, ao invés de procurar um médico de confiança e exigir exames completos, compra o remédio que a amiga, irmã ou vizinha costumam tomar.

Ou seja, não vamos demonizar as coisas, porque a intenção aqui não é essa. É informar, é orientar da melhor forma possível, e é, principalmente, dividir a minha experiência, que não é regra pra ninguém.

Beijos, Ju♥

Quer mais dicas como essa? Siga nossas Redes Sociais ⇒ Instagram ♥ Snapchat ♥ Twitter ♥ Pinterest ♥Facebook⇒   @jurovalendo

12.02.2016

Pílula Anticoncepcional: As Primeiras Semanas Sem Usar

Depois de 18 anos!

Semanas atrás fiz um post aqui contando que, depois de 18 anos sem menstruar, precisei parar de tomar a pílula anticoncepcional por razões médicas (veja o post aqui) e estava, literalmente, travada de medo dos primeiros dias, porque li relatos bem ruins na net.

Na verdade era uma mistura de sentimentos: estava zangada por ter que voltar a menstruar, porque foi algo bem traumático na minha adolescência, estava chatada de perder a liberdade que não menstruar proporciona, e estava com medo de como ficaria o meu humor e o meu temperamento no início, porque hormônio é um troço problemático, e quando mexe nisso aí tudo é alterado.

Pílula Anticoncepcional

Créditos: Shutterstock

Pílula anticoncepcional: a odisseia!

E a coisa, na primeira semana, foi feia.

Fiquei bastante irritada, muito mais impaciente que o normal, extremamente sensível e completamente “armada”, pronta pra brigar, sabe como é? Pra completar, tive cólica por 2 dias seguidos, mesmo sem menstruar (quem explica?), fiquei enjoada, me sentindo cansada, sem ânimo pra nada, meio apática e com muito, muito sono.

A coisa passou meio como uma “névoa” e foi, basicamente, uma semana perdida, onde me senti mal e rendi pouco em todos os sentidos.

Acho que isso acontece porque o corpo reage a falta dos hormônios sintéticos, mas como estou fazendo a coisa com acompanhamento, e fazendo a reposição da progesterona, do estradiol e de outros hormônios que estavam muito baixos, a “era das trevas” durou pouco e na segunda semana a coisa virou.

Sabe criança com vontade de fazer tudo, com todo o ânimo e energia do mundo? É assim que tô me sentindo! A instabilidade dos primeiros dias deu lugar a uma sensação boa de equilíbrio e tranquilidade, tenho sentido o corpo desinchando e minha pele não teve nenhuma alteração na oleosidade, coisa que estava preocupada, já que o anticoncepcional ajuda nisso, né?

Pílula-Anticoncepcional

Créditos: Shutterstock

Uma coisa que tenho observado é que meu apetite tem mudado: aquela vontade doida de beliscar durante a noite reduziu muito e já não sinto tanta vontade de comer. Tô achando ótimooo!

Ainda não menstruei e não faço ideia de quando isso vai acontecer, porque depende exclusivamente do meu organismo, mas prefiro acreditar que a coisa será mais amena, que vai ficar tudo bem e que a decisão (forçada!) de voltar a menstruar foi, nesse momento, a melhor pra mim.

O fato é que, depois da turbulência,  estou me sentindo muito melhor em vários aspectos, e acredito que essas mudanças positivas vão se intensificar com o passar do tempo… Assim espero! rs

Enfim, só queria dividir isso com vocês, e a medida que o tempo for passando volto pra contar tudo o que for acontecendo, tá? Mas, antes de terminar quero deixar uma coisa bem clara: a pílula não deve ser “demonizada”, ela ajudou e ajuda milhões de mulheres em todo o mundo, é uma conquista nossa, e não é porque eu tive problemas que todo mundo vai ter!

E se alguém já passou ou está passando por isso, comenta aí! Me senti mais “confortável” com os comentários de vocês no post anterior sobre o assunto, fez com que eu me sentisse “menos só”, sabe?

Beijos, Ju♥

Página 5 de 2434567
O que você acha do JV?
Sempre arrasando Jú Lopes! Acabei de ler a crônica na revista da Júlia Pinheiro, Achei perfeita a forma como descreveu a virada do ano para…
As leitoras mais incríveis da vida
  • Aqueles olhos...🎵🎵🎵
Agenda aberta para cursos de auto maquiagem. 📲 3199254-8715

#amomaquiagem #amomeutrabalho #maquiagemformanda #maquiagembh #maquiagemcontagem #pausaparafeminices #brunatavaresppf #maqbellamakeup #universodamaquiagem_oficial #universodasnoivas
  • Hoje por aqui tô é fazendo festa de tanta felicidade, chegou os desapegos maraaaa da Ju Lopes @jurovalendo 😍❤👌🍀
E a pessoa aqui ficou ainda mais feliz quando viu os batons lindos dá @lizbranquela ( eram desejos de consumo, mais o orçamento não colaborava 😀 ).
Ju obrigado pelo carinho, pelo bilhetinho tão lindo, te desejo todo sucesso do mundo.
#EntendiTuaLetraSim 
#MeEmocionei
#MuitoFeliz
#JuroValendo 😘❤🍀😍🙏
  • #makeclassica #maquiagembh #maquiagememmadrinha #maquiagememdomicilio #atendimentovip #maquiagemformanda #maquiagembrasil #amomeutrabalho #amobatom #smokeyeyes #makegliterinada #makeupartist #pausaparafeminices #brutavaresppf #jurovalendo #atelierparis #kryolanbh #catarinehill #maqbellamakeup #universodamaquiagem_oficial #universodasnoivas #mk #marykaybrasil #maquiadoraprofissional
Quer ver a sua foto publicada aqui no blog?
Poste no instagram uma foto com a hashtag
#JuroValendo