13.02.2017

Não Uso, Mas Não Sou Contra a Pílula Anticoncepcional

Há mais de um ano parei de tomar a pílula, e fui contando todo o processo aqui pra vocês, mas sempre bati na tecla que mesmo não usando, não sou contra a pílula, e depois do último post sobre o assunto recebi vários questionamentos sobre isso, então achei melhor fazer um post, tá?

Claro que só posso falar da minha experiência, do que eu vivi, mas me parece óbvio, também, que antes de me posicionar contra ou a favor de alguma coisa, preciso analisar todo o contexto no qual aquela coisa está inserida, sua importância, seus prós e contras.

E, mesmo que hoje eu saiba que ela me fez mal, e inegável que ela foi um dos maiores pontos de mutação na nossa história, porque antes dela a mulher passava a vida inteira reproduzindo, tinha filhos e mais filhos, e só.

Não que ter filhos seja um problema, pois não é. O problema é não ter opção. O problema é que durante toda a sua vida, durante séculos, a mulher tinha filhos ano após ano, como se fosse uma fábrica de crianças. Não existia planejamento, não existia “o momento certo”, não existia escolha, e não ter escolha é escravidão.

A pílula, nesse contexto, significou liberdade, inclusive pra viver plenamente a própria sexualidade.

Não Sou Contra a Pílula Anticoncepcional

Óbvio que os tempos mudaram e existem muitos outros métodos, mas infelizmente nenhum é tão “aceito”, de tão fácil uso e acesso como a pílula. E sim, é preciso analisar as coisas por esse ângulo também, porque a gente precisa parar com essa mania de achar que a nossa verdade é a única, que o que é simples pra nós é para todos os outros porque não é assim que a banda toca.

Não dá pra ser simplista e demonizar a pílula, não dá!

Pra mim, que tenho acesso a informação e a bons profissionais, foi extremamente difícil, por exemplo, encontrar uma ginecologista que fizesse a medição do diafragma, que sentasse e me explicasse detalhadamente como deveria ser usado e tudo o mais.

Já se perguntou se seria fácil pra uma mulher sem acesso a informação, que não conhece o próprio corpo e tem vergonha de sua sexualidade fazer perguntas sobre o diafragma? Mais que isso, colocar o diafragma?

Dia desses, conversando com uma moça que mora em um povoado perto da fazenda de vó, ela disse que usava pílula, mesmo tendo problemas por causa dela,  porque o marido se recusava a usar camisinha, já que, pra ele, “camisinha não era coisa de macho”. E não, gente, ela não cogitava nenhuma outra possibilidade, porque naquele momento a única coisa que ela queria era comida na mesa, o marido do lado e nenhuma outra criança passando fome.

E não vem falar em machismo e em tudo aquilo que a gente já tá careca de saber porque a verdade é que, pra essa realidade, tão diferente da nossa, quando nem as necessidades básicas, que são barriga cheia e o mínimo de dignidade pra viver, são supridas, nada mais é ouvido, nada, garanto.

Ou seja, são realidades diferentes, e pra realidades diferentes não podemos propor as mesmas soluções porque a coisa não vai funcionar. O que é preciso é fazer o melhor, fazer o possível com o que se tem em mãos, cabô.

Não sou contra a pílula, sou contra a falta de informação

O que eu acho é que existe desinformação e irresponsabilidade saindo por todos os lados. Qualquer pessoa compra uma pílula anticoncepcional na farmácia sem indicação ou orientação médica. E o que não faltam são médicos que nunca pedem exames pra ver se o uso da pílula é ou não indicado para aquela pessoa, pra ver se está tudo bem com o uso do medicamento e coisas do tipo. Solicitar exames, aliás, é raro, mesmo nas grandes cidades.

Então, já que, nesse momento, é inviável sustentar que a pílula anticoncepcional não é uma opção, porque ela é útil sim pra muita gente, que a sua indicação e o seu uso sejam feitos de forma responsável, tanto por parte dos médicos quanto dos pacientes. Pode não ser o ideal, não sei, mas é, no atual cenário, a opção que me parece mais coerente.

Aliás, a solicitação de exames e o acompanhamento do paciente são coisas tão obvias que sequer deveriam ser lembradas por aqui, mas, infelizmente, não é o que acontece.

E vocês, o que acham disso?

Beijos, Ju♥

Bora ficar bem juntinha? Então vem comigo nas redes sociais! ⇒ Instagram ♥ Youtube ♥ Snapchat ♥ Twitter ♥ Pinterest ♥Facebook⇒   @jurovalendo

24.01.2017

1 Ano Sem Pílula e os Métodos Contraceptivos Não Hormonais

Pra quem começou achando que não seguraria a onda por muito tempo, completar 1 ano sem pílula é uma dessas coisas que me deixam orgulhosa, assim como conhecer mais sobre métodos contraceptivos não hormonais.

Como já contei por aqui, tomei pílula por 18 anos, e durante todo esse período não menstruei porque, veja bem, esse troço não cabia na minha vida. Sentia cólicas absurdas e tinha uma TPM monstruosa, e ficar sem esses dois fantasmas que me assombravam todos os meses foi uma maravilha.

Mais maravilhoso ainda era ter o privilégio de poder tudo todos os dias, coisa que, pra mim, que sou super controladora, era o ápice da liberdade.

Mas liberdade tem um preço, e a conta, quando chegou, veio alta demais. Eu não só não conseguia reconhecer mais os sinais do meu corpo, como tive um problema hormonal sério. Quase todos estavam extremamente baixos, eu estava apática, vivendo no piloto automático e com diversos sintomas físicos relacionados a baixa hormonal.

Métodos Contraceptivos Não Hormonais

1 ano sem pílula: minha carta de alforria!

Foi aí que, em novembro de 2015, depois de semanas de febre baixinha com hora marcada, fiz dezenas de exames e a única coisa que estava errada eram os hormônios. Fui “orientada” a suspender o uso da pílula pra ver como meu organismo reagiria e, associado a isso, repor alguns hormônios.

O início não foi fácil, e nos posts abaixo dividi tudo com vocês, lembram?

A pele ficou muito mais oleosa, o cabelo virou uma poça de óleo, eu, que era tão estável e “linear”, voltei a “ter fases”, o que me causou muita estranheza no início, mas um alívio enorme depois, porque percebi que não oscilar não era normal.

Não tive mais cólicas absurdas, sofri com a TPM, que veio bem diferente de antes, me deixando melancólica ao invés de “raivosa”, o que foi uma novidade, porque nunca fui de sentir essa tristeza, essa melancolia, sabe? Sempre fui prática, praticamente um trator, nunca tive paciência pra tristeza, e ter que lidar com isso em mim não foi fácil.

Mas, ganhei o melhor presente de todos: voltei a me sentir viva! Voltei a ter não só vontade, mas uma alegria quase infantil em realizar coisas, minha libido aumentou absurdamente e me sinto muito mais feliz agora.

Voltar a usar pílula, ou qualquer outro método hormonal não é, pra mim, uma opção, tanto por problemas de saúde como por escolha mesmo, sabe? Apesar de reconhecer o papel importante que ela teve e tem na vida de muitas mulheres, porque não, não vou demonizar a pílula, o que condeno é a falta de informação, não é algo que quero pra mim, pro meu organismo, pra minha vida.

Métodos Contraceptivos Não Hormonais

Métodos Contraceptivos Não Hormonais: opções possíveis

Uma pergunta que todo mundo me faz desde que suspendi o uso da pílula é sobre o método contraceptivo que estou usando, e como não posso (nem quero) usar nenhum método hormonal, as minhas opções são camisinha, DIU de cobre, diafragma, tabelinha, o método de ovulação billings, o método sintotérmico e o coito interrompido.

Camisinha eu sempre usei, inclusive quando tomava pílula, porque é o único método que me mantém protegida de doenças sexualmente transmissíveis. E, gente, comigo nunca teve essa de “meu namorado não gosta”, porque não faço roleta russa com minha saúde, ou usa camisinha ou termina, não tem conversa.

E não é uma questão de confiança não. A questão é que a minha saúde está sempre em primeiro lugar, assim como a minha segurança, e eu bem conheço a natureza humana, sei o quanto somos falhos, o quanto erramos e não vou colocar a minha saúde nas mãos de ninguém.

Amo meu namorado, é uma das pessoas mais incríveis que conheci na vida, confio demais nele, mas meu amor maior sou eu mesma e minha saúde está acima disso, sabe?

Inclusive, vou aproveitar pra alertar: estamos vivendo uma epidemia (sim!) de sífilis, e a imensa maioria das mulheres infectadas são as casadas ou que mantém relações estáveis. A única coisa que te previne disso, do HIV e de todas as outras doenças sexualmente transmissíveis é a camisinha, só ela. Só.

Portanto, camisinha é item básico. Só que aprendi, anos atrás, que é preciso associar dois métodos para aumentar a eficácia, porque todo método pode falhar e eu não vejo motivo pra correr riscos desnecessários.

O primeiro método, então, é a camisinha. O segundo seria o DIU de cobre, mas li muitos relatos complicados e fiquei com receio. A princípio, associei com a tabelinha, que, como vocês sabem, é falha. Aí, analisando as opções, escolhi o diafragma, que tem chance de falha de 10%, mas associada com a camisinha me deixa segura.

Métodos Contraceptivos Não Hormonais

Métodos contraceptivos não hormonais: O diafragma

Quando, depois de pesquisar muito, resolvi conversar com minha gineco sobre o diafragma, ela comentou que esse era um método que a grande maioria das mulheres “corria léguas”, e eu entendo.

É que ele é um dispositivo de látex flexível que é colocado lá dentro da vagina pra  fechar o canal do colo do útero, e pra usar é preciso introduzi-lo e empurrá-lo até o fundo da vagina, que é uma coisa simples, mas muitas mulheres não cogitam usar porque envolve conhecer o seu corpo e tocá-lo, o que é um problema numa sociedade em que as mulheres aprendem lá na infância que se tocar é feio, é sujo. Uma bobagem, claro!

Eu tô usando e achando ótimo! É prático, barato (custa, em média, R$100,00 e pode ser reutilizado por até 3 anos), me deixa no controle das coisas e não possui efeitos colaterais.

Isso é o que vem funcionando pra mim, e não tenho do que reclamar, mas é óbvio que não é “receita” pra ninguém, né? É você, e só você, que sabe o que é melhor pra você e, com informação correta, com o auxílio do seu médico deve escolher a opção que mais se adeque a sua vida.

Alguém mais tá vivendo sem pílula? Divide comigo como tem sido, é conversando que a gente se ajuda! E qualquer dúvida é só deixar aqui nos comentários, tá?

Beijos, Ju♥

Quer mais dicas como essa? Vamos papear nas redes sociais ⇒ Instagram ♥ Snapchat ♥ Twitter ♥ Pinterest ♥Facebook⇒ @jurovalendo

O que você acha do JV?
Ju, flor, descobri seu blog faz poucos meses mas já estou fã! Suas receitas e dicas de beleza são maravilhosas. Sinto que estou conversando com…
As leitoras mais incríveis da vida
  • E essa parede 😍  da Ju Lopes do blog @jurovalendo? Desde quando vi o post me apaixonei. No blog ela conta como fez, e cá entre nós: é super fácil reproduzir e deixar com a sua cara! 😉  Quero fazer no meu #homeoffice, sem dúvida!
  • 2017 tem sido um ano incrível pra mim e para o blog: somos o blog de beleza mais acessado do Brasil, de acordo com a Revista Exame, crescemos todos os meses, ininterruptamente, e estamos concorrendo ao prêmio que vai escolher os 3 influenciadores digitais de beleza mais influentes na revista Negócios da Comunicação, o que me deixa absurdamente feliz, realizada e grata.

Então, nada melhor que presentear vocês, né?

São três kits de prêmios: um aqui pro Instagram, outro pro Facebook e outro para o blog, e todo mundo pode participar de todos! O post explicando tudo já está no blog, e pra participar aqui é só comentar nessa foto que quer participar e marcar a #JuroValendo!

Pra participar pelo Face é só comentar lá, e pra participar pelo blog também!❤️ O resultado sai dia 08 de maio às 20hs.
Então, participem, chamem as amigas pra participar e boa sorte!❤️❤️❤️ #Desapegos
  • Os 5 do dia, porque eu tinha que vir falar dessa linha muitoooooo cheirosa do Boti, né? ☁️️💘O hidratante de mão é uma delicinha e nada grudento, assim como o corporal (não tá na foto mas mostrei ontem no Stories), que hidrata bem, deixa a pele cheirosa e não meleca nada. E ameiiiiiiii esse
Quer ver a sua foto publicada aqui no blog?
Poste no instagram uma foto com a hashtag
#JuroValendo