05.12.2013

40 Semanas: resumo das semanas 15, 16 e 17

Eu sei que estou bem atrasada com a atualização das semanas, mas estas 3 semanas foram bem agitadas e ainda estou tentando encaixar a rotina de estar grávida com trabalho, casa, marido, estudos, blog. Se antes eu podia pular as refeições para nos horários fazer outras coisas, agora a única coisa que não tem como transferir de horário é o horário de alimentação, sem contar a “hora do sono”, pois se não dormir um pouco assim que chego em casa do trabalho, fico pior do que zumbi.

Justificada a ausência, vamos passar às semanas.

A 15ª semana fluiu tranquilamente. Foi nesta semana que meus enjôos e vômitos cessaram completamente. No entanto, tive azia.

Meu apetite aumentou consideravelmente e agora o que mais sinto é fome. E não, não adianta comer a cada 3h. Tenho que beliscar algo de hora em hora. Nestas “beliscadinhas” estou incluindo frutas e bolacha de água e sal. E sempre tem que ser algo com sal, minha pressão está baixa, e, sem nada de sal, quase desmaio.

A 16ª semana foi tranquila com algumas loucuras e ápices de hormônio.

Exatamente na quarta, quando completo semana, acordei de madrugada chorando muito. Tive a impressão de que minha barriga tinha diminuído e, como ainda não consigo sentir o bebê mexer, fiquei muito preocupada e triste.

No fim da tarde consegui me tranquilizar, fiz várias pesquisas na internet e descobri que as mamães de primeira viagem só vão sentir o bebê mexer mesmo a partir de 20 semanas.

E no trabalho disseram que minha barriga não diminuiu não! Hahaha, loucuras de mamãe “hormonuda”, como diz uma amiga minha, a Cacau.

Também repeti um exame de urina, que no primeiro trimestre tinha dado alteração. Felizmente agora está tudo certo, graças à Deus!

16semanas

A 17ª semana foi bem agitada!

Minha barriga ficou bem maior, descobri o sexo do bebê, meu menino, Daniel, e acho que engordei alguma coisa ou, pelo menos, recuperei alguns dos 4kg perdidos, pois nenhuma peça 40 serve mais no quadril ou fecha na barriga.

barriguda

A barriguinha de gravidez é a única barriga que toda mulher deve amar!

Falando do meu menino, estou muito feliz! Só consigo pensar em roupinhas para menino e isso me deu uma certa “revolta”, porque o mercado é voltado apenas para o mundo feminino, mas isso, desabafo em outro post.

Beijos duplos da Dani e do Dan.

08.10.2013

Não Ter Filhos Também É Uma Opção

É engraçado como, quando a gente vai ficando mais velha, as pessoas, principalmente familiares e amigos, começam a cobrar determinadas coisas, como casar e ter filhos.

Mais engraçado ainda é quando a gente não tem a menor intenção de fazer nenhuma dessas coisas e a pessoa não entende que aquilo é uma escolha pessoal e não um script que todo mundo tem que seguir.

Eu nunca quis me casar (mas já fui noiva, porque contradição é meu sobrenome!) e nunca quis ter filho (um dia, quem sabe…), apesar de ser louca por crianças, e jamais me passou pela cabeça fazer qualquer uma dessas coisas simplesmente porque é o que se espera de mim ou porque é o que todo mundo faz.

não ter filhos

O que “todo mundo faz” não me diz respeito e não significa que seja certo pra mim, porque o certo depende de cada pessoa, e o que é certo pra mim pode ser errado pra você e vice-versa.

A decisão de ter um filho é uma escolha que não deve ser influenciada por nada nem por ninguém. Trata-se da sua vida, e a sua vida tem que ser regida pelas suas escolhas, porque é você que vai arcar com cada uma delas  e ponto final.

Acho que as pessoas precisam abrir um pouco a cabeça e entender que cada pessoa tem um caminho, e que as possibilidades são múltiplas, de forma que nem todo mundo se encaixa no “casar e ter filhos”, e que isso não tem nada demais, pois é um direito de cada um, e, sendo assim, todo mundo tem que respeitar, concordando ou não.

Não ter filhos também é uma opção!

não ter filhos

É muito mais bonito a pessoa assumir pra si mesma que não quer, nesse momento ou “para sempre”, ter um filho do que ter pra seguir um roteiro, sem ter, em resumo, a menor estrutura mental, emocional, financeira ou familiar pra ser mãe.

Ter filhos é uma escolha que vai te acompanhar todos os dias da tua vida, para o resto da vida, então é bom que você esteja certa do que está fazendo, porque uma criança precisa de dedicação, de amor, de disciplina, de cuidado e de carinho, dentre muitas outras coisas.

Não vou falar da parte boa, porque essa a gente já sabe e é mesmo maravilhosa, mas a vida não é feita só de coisas boas… Aquele bebê lindo e rosadinho que, por muito tempo, precisará de cuidado 24 horas por dia vai crescer e fazer escolhas com as quais você não concorda. Ele vai cometer erros, ele vai te decepcionar, ele vai te deixar louca de preocupação quase todos os dias e mesmo assim você precisará estar emocionalmente equilibrada para amá-lo, apoiá-lo, defendê-lo, protegê-lo e oferecer seu colo, seu ombro, suas mãos…

não ter filhos

Respeite, apenas isso!

E você tem que saber que vai precisar renunciar a muitas coisas, porque cada escolha nessa vida é uma renúncia,  isso pode sim gerar frustrações, e você não pode jogar o peso das suas frustrações, que foram fruto de suas escolhas, nas costas dos seus filhos (isso é o que mais vejo acontecer…).

Filho é pra sempre, então só tenha se você estiver certa de que é “isso mesmo”, porque ser mãe não é “parir” e deixar pra babá criar. Ser mãe é mais, infinitamente mais do que isso, porque filho a gente tem por amor, não pra tapar buraco, pra seguir script,  por medo da solidão ou da velhice.

Assim como ter filhos é um ato de amor, não tê-los também é, porque significa que você, mesmo querendo, mesmo desejando, sabe que não pode, naquele momento, oferecer tudo o que uma criança quer, precisa e merece.

E isso precisa ser respeitado.

Beijos, Ju

Vamos papear nas redes sociais⇒ Instagram ♥ Snapchat ♥ Twitter ♥ Pinterest ♥Facebook⇒   @jurovalendo

O que você acha do JV?
Antes de conhecer o JV eu não sabia que existiam máscaras com fins diferenciados ... Pra mim "hidratação" era uma coisa só .. Hj entendo…