26.03.2014

É Preciso Viver o Luto, Seja Ele Qual For

Quando a gente perde alguém que ama, quando a gente termina uma história, quando a gente tem perdas na vida, é normal que a gente fique triste, perdido, sem rumo, certo?

É certo sim, e é humano. O que não é certo, ao menos pra mim, é não respeitar a própria dor, a própria tristeza, o próprio luto.

luto

A perda, sobretudo de alguém que a gente ama, é dolorosa demais, é a mais profunda que existe,  porque o que existe ali é a “dor do nunca mais”… Nunca mais o amor que aquecia a alma, o olhar tão cúmplice, a mão daquele que nos compreendia, as risadas sem fim, o mundo de carinho, o abraço que protegia… Nunca mais a presença, nunca mais a certeza de que você não está só… Nunca, nunca mais…

E você acha mesmo que dá pra passar pro cima disso? Não, não dá…. E não tem nada demais ficar triste. Faz parte. E se você está triste, viva a sua tristeza, sinta ela até a última gota, no seu tempo, do seu jeito, porque só assim, vivendo a própria dor, é que a gente supera, mas supera de verdade.

luto

Só que essa neura pela felicidade constante, como se fôssemos máquinas ou seres supra humanos, nos impele cada vez mais a “passar por cima”. Terminou uma  relação? “Bora pra balada pegar todas/todos, beber todas e “passar recibo”! Perdeu alguém que ama? Bora sair pra “esquecer”!

Oi? Desde quando fazer qualquer uma dessas coisas faz a dor passar? Quem disse que esquecer é superar? E quem disse que esquece? Não esquece e não adianta fugir, porque de noite, no encontro com o travesseiro, todas as dores voltam, e se a gente tenta passar por cima, elas voltam muito maiores, rasgando tudo por dentro.

luto

Não existe a possibilidade de seguir em frente, de virar a página,  sem “viver” o luto até a última gota. É preciso respeitar o seu luto, a sua dor, a sua tristeza e o seu tempo. E vai doer mesmo, e muito. Vai dilacerar tudo por dentro, e em alguns momentos a dor é tão grande que falta o ar, mas se é o que você está sentindo, tem que sentir, porque não tem como ultrapassar qualquer coisa nessa vida se a gente não enfrenta essa coisa. É  impossível.

Nós somos pessoas, nós somos humanos, não somos máquinas. Nós sentimos mesmo, e se sentimos, temos que viver isso, oras! Se a tristeza vir, deixe que ela venha, coloque ela pra fora, sinta toda a sua tristeza porque, existindo, ela tem que ser vivida, e somente quando vivida ela pode ser superada.

tumblr_m76a3lJMuT1qg9z2ao1_500

Se pulamos etapas, se não respeitamos os nossos sentimentos e os nossos momentos, se reprimimos a nossa dor, seja de que origem for, nunca conseguiremos ir adiante e ficaremos presos por toda a vida… É isso o que você quer?

Beijos

Ju

Escreva seu comentário

* Preenchimento obrigatório. Seu email não será divulgado.
Quer que sua foto apareça no comentário? Clique aqui.
24 comentários
  1. Shirlei Brandão  26/03/2014 - 21h20

    Ju, parabéns pelo texto!!! Sempre tive essa ideia de que precisamos viver nossas tristezas até o fim. Que só chegando ao fundo do poço podemos retornar a luz. Amei!! Bjs!!

    • Ju Lopes  27/03/2014 - 13h28

      Minha flor, obrigada! :) Mas é, senão a gente não supera nunca, né? Beijos

      • Rozana Santos Infante  01/07/2015 - 09h10

        Parabéns Ju! Mesmo com sua dor você consegue passar forças para outras pessoas, isso chama-se doação, minha admiração por você!!

        Bj

  2. Verena  26/03/2014 - 21h35

    Palavras sábias. O mundo hoje prega a felicidade a qualquer custo, as pessoas acabam esquecendo de que são simples seres humanos com suas fragilidades e limitações. Vivemos numa cultura de exibicionismo de uma felicidade falsa, uma vida perfeita que é mais falsa ainda. Na vida existem tempos bons e maus e os dois são proveitosos para o crescimento e aprendizado. A dor também nos faz crescer. Belo texto Ju.

  3. Lusaches  26/03/2014 - 22h29

    Mas será que nessa sociedade temos tempo pra isso? O luto não é respeitado no trabalho e em outros setores desta sociedade atual tão rápida, tão corrida…. É difícil viver isto e ainda continuar com a rotina.
    Sem dúvida doi muito e pra mim não passa, tende a ficar mais suportável com o tempo. Mas ainda sim um suportável difícil.

    • Ju Lopes  27/03/2014 - 13h29

      Lu, pra isso tem que ter, senão a gente segue “capenga”… E isso é um problema, porque as pessoas não entendem, as empresas não entendem… É muito, muito difícil!

  4. Daniele Guedes  27/03/2014 - 08h31

    Exatamente!!!
    Sem por nem tirar …. grande bj Ju

  5. Cris Ulerich  27/03/2014 - 13h33

    Se eu não soubesse que vc é Advogada diria que era Psicóloga. É isso mesmo Ju, texto muito bem escrito que traduz em palavras fáceis o que na Psicologia chamamos de elaboração do luto. E esse luto não se refere apenas à perda de entes queridos, mas a toda e qualquer perda que possamos vivenciar na vida. De nada nos serve negar, fingir pra nós mesmos que não nos importa, dizer que superamos com facilidade. O que funciona de verdade é ter clareza do que o “objeto perdido” significava, lamentar a perda e resignificar a vida a partir da ausência do mesmo. Toda perda é como uma ferida, no início dói, sangra, com o passar do tempo cria “casquinha” e quando cura já não dói mais, mas a cicatriz fica lá pra nos lembrar da experiência vivida.

    Bjo grande.

    • Ju Lopes  30/03/2014 - 16h48

      Oi Cris!
      rsrsr Já pensei em fazer psicologia, sabia?
      É exatamente isso… Não sabia disso de elaboração do luto não, mas isso deveria ser óbvio, né Cris? O problema é que ninguém mais quer sofrer o que tem que sofrer, ninguém quer sentir nada que não seja maravilhoso, e isso não existe… Beijos

  6. Lusaches  30/03/2014 - 23h07

    Ju Lopes:

    Sigo tentando. Fiz terapia muito tempo, mas viver a perda é difícil. Como disse a sociedade não da tempo nem pra vivermos nossos problemas. É retorno rápido ao trabalho e n coisas a fazer.

    Ainda acho um grande desafio viver o luto. Sei que esta fase precisa ser vivida. E espero conseguir vencer este desafio.

    Indico um livro maravilhoso: Perdas Necessárias Judith Viorst autora ou Psiquiatra ou Psicóloga. ( nao me lembro) É um livro muito interessante que fala das primeiras até as ultimas perdas existentes na nossa vida, em diferentes fases.

    Beijos Ju sempre te acomoanhando no blog! Sucesso sempre!

    • Ju Lopes  31/03/2014 - 18h48

      Oi Lu!
      Eu imagino que seja MUITO difícil mesmo… É uma dor que não passa, que engasga…
      Vou procurar esse livro!
      Obrigada minha flor, e muita força pra vc!
      Beijos

  7. Lusaches  31/03/2014 - 21h29

    Vamos que vamos. DEUS nos capacite pra enfrentarmos os desafios desta vida.

    Sucesso sempre Ju!

    • Ju Lopes  01/04/2014 - 09h45

      Isso mesmo Lu! Obrigada minha flor! beijos

  8. Patricia  30/06/2015 - 22h24

    Ju você está melhorando? Sinto muitíssimo pela sua perda, te acompanho a anos e senti pela sua dor!!
    Estou mandando muitas energias positivas, você é maravilhosa!! ❤️❤️

  9. Mariana Barros  01/07/2015 - 00h38

    Ju, o seu texto diz tudo. E é isso mesmo! Sinta tudo o que tem de sentir, permita-se. E Ha! Sabe abraço de urso??? Mando um pra ti agora! Muita Luz e que Deus esteja te amparando agora. Mari

  10. Lúcia Matos  01/07/2015 - 00h49

    Ju, minha linda!
    Que texto perfeito!
    Lindo mesmo!
    É exatamente esse o meu pensamento também.
    Cada ciclo precisa ser vivido completamente. Não tem como ficar pulando etapas. Não é assim que a vida funciona. E não tem como seguir a vida se ela estiver “picotada”…
    Viva esse momento como ele deve ser vivido!
    E, enquanto isso, a gente segue aqui mandando pra você todo o nosso carinho e desejando muita paz e luz!
    Beijos, com carinho, da Lu ♥

  11. Ingrid Beneri  01/07/2015 - 04h27

    Meus sentimentos.. Agora te admiro mais ainda.Bjs no coração!

  12. Mary Mendonça  01/07/2015 - 09h50

    Parabéns pelo texto, e pela força Ju, que Jesus te dê o consolo!!!!!!! beijos

  13. Jô  01/07/2015 - 18h51

    Ju,
    Acompanho seu blog há muito tempo e no dia 29.05.2015 também perdi meu pai. De lá pra cá essa dor vem me consumindo a cada segundo, parece que tudo está perdido. Tento ler, pensar em outras coisas, prosseguir com a rotina e o trabalho, mas como você disse no final do dia, no nosso travesseiro é a tristeza que está lá para nos abraçar. Quero te dizer o quanto é importante ter a oportunidade de ler um post desse, e que você não está sozinha nessa tristeza.
    Perdi minha mãe quando ia completar 13 anos, e sou filha única, mas sempre ouvi falar que ninguém morre enquanto está vivo no coração de alguém.
    Acredito que tudo seja uma passagem para um processo evolutivo, e um dia estaremos novamente sorrindo ao lado dos nossos amados.
    Mais uma vez obrigada. Se estivesse vivo, tenho certeza que meu pai diria: “Seja forte e enfrente”.

  14. Carla  01/07/2015 - 20h21

    “Ju”, te sigo quase diariamente há alguns meses. Gostei tanto, q sem querer, estou esquecendo d outras blogueiras. Vc está suprindo minhas necessidades no q diz respeito às madeixas loiras.Amo seu sotaque ( é carinhoso, meigo e firme). Sou do Norte d Minas Gerais, entao meu sotaque é um pouquinho parecido c o do baiano. Admirei sua autenticidade , ao dizer q é advogada sem um pingo d vocação . Sou advogada, mas diferente d vc, gosto muito apesar d ver tanta coisa injusta . Do mais íntimo do meu coração , desejo q nosso Senhor Jesus Cristo, o d a força q só existe Nele.Atravessar o ” vale” c Ele , tudo será diferente e embora n entendamos esse mistério da morte , creia q o espírito do seu pai vive. Um dia( breve ou n). , estarão juntos por toda eternidade. A Bíblia relata essa ” morada”, como algo lindo demais.As ruas s d ouro … Pelo ser humano q é, c certeza vc deve muito a seu pai. Só pessoas boas, conseguem dar uma criação boa, ao ponto q mesmo através dessa máquina fria conseguimos enxergar um pouco d sua alma .

  15. […] nossas feridas, sabe? Se a gente não faz isso, se não vive o “luto”, como já falei nesse post aqui, parece que as coisas nunca […]

  16. […] Quando falo de infelicidade, não estou falando de pessoas que estão passando por problemas reais, que tiveram perdas de diversos tipos, que têm doenças, que têm motivos para estarem momentaneamente infelizes. Eu já tive perdas, e não foram poucas, e sei bem que nesses momentos a gente não é feliz, que a tristeza toma conta e que o luto precisa ser vivido, coisa que já falei, aliás, nesse post aqui. […]

O que você acha do JV?
Ju, amo seu blog!!! suas dicas!!! vc é maravilhosa com sua opinião honesta!!! Sempre quando quero comprar algum produto venho aqui pra ver o que…