Vizcaya
24.10.2014

Déficit de Atenção Sim, E Daí?

Comentei tempos atrás Face que tava precisando de um “bolsa farmácia” por causa do preço do Venvanse (da Ritalina LA e do Concerta também!) e uma leitora, com o intuito de me preservar, ressaltou que era pra ter cuidado em falar sobre isso porque ainda existe muito preconceito com o TDAH, que, pra quem não conhece, é o Déficit de Atenção.

Agradeci de coração o cuidado, mas preferi fazer o oposto, porque não é um remédio que vai definir quem ou o que eu sou. Um remédio é só um remédio, e eu sou muito mais do que isso.

Muitas vezes questionei se isso era mesmo déficit de atenção porque pra mim parece meio lógico só prestar atenção no que me interessa, e até hoje acho a nomenclatura equivocada, mas isso também é uma besteira e não vou perder tempo com essas coisas.

Déficit de Atenção

 O que é Déficit de Atenção

O fato é que, sim, eu tenho déficit de atenção e não vejo nada demais nisso. Vejo mais como um conjunto de características diferentes, com limitações um pouco diferentes, mas, afinal, quem não tem características e limitações diferentes?

Acho bobo isso de rotular, sabe? E não vejo isso como um “bicho de 7 cabeças”, mas como um “padrão diferente”, que precisa sim de “tratamento”, mas que, sobretudo, precisa ser encarado com leveza, com naturalidade, sem drama e sem fuê.

Meu maior problema em relação ao TDAH sempre foi a falta de organização, e isso é sim uma coisa muito complicada porque minha vida era um caos. Esquecia as coisas, me embolava, não conseguia ter um equilíbrio, sabe? Isso,  assim como o fato de ser extremamente impaciente e muito impulsiva, gerou muitas coisas ruins, e só melhorou com o uso do medicamento.

Deficiência de atenção não é deficiência de aprendizado

Entretanto, nunca tive deficiência de aprendizado, ao contrário, sempre aprendi tudo muito rápido, mas do meu jeito, o que me interessava, o que chamava a minha atenção (matemática, obviamente, não era exatamente o que despertava a minha atenção, e não conseguia aprender!rs). Em compensação, não dava conta de prestar atenção numa aula inteira (exceto nas das minhas matérias preferidas), ficava inquieta, levantava várias vezes, o que era bem chato (principalmente para os outros).

Nada disso me impediu de estudar, fazer faculdade ou algo do tipo, até porque só fui começar a fazer o tratamento (de forma séria) bem depois de terminar a faculdade. Passei no vestibular sem precisar de cursinho, fiz Direito numa excelente universidade, era uma ótima aluna nas matérias do meu interesse e mediana nas outras e passei na OAB sem problemas.

Déficit de Atenção

Ou seja, o estigma de que uma pessoa que tem déficit de atenção é burra, como já ouvi várias vezes, é absurdo. Acredito que muitos dos “limites” somos nós que  colocamos na nossa cabeça, e eu nunca acreditei em limites.

O tratamento do TDAH é essencial!

Assim como é absurdo ver pais que se recusam a, após o diagnóstico, tratar seus filhos porque “psiquiatra é coisa de doido” e “tarja preta é coisa de maluco”. Claro que existe um exagero na prescrição de Ritalina, que muita gente toma sem a menor necessidade e lógico que “nem tudo é TDAH”, mas eu, que conheço os dois lados da história, acho de uma negligência sem tamanho deixar de tratar o que precisa (e pode!) ser tratado por puro preconceito.

Se essas pessoas soubessem o quanto o tratamento adequado vai melhorar a qualidade de vida da criança (adolescente ou adulto) com TDAH, o quanto vai mudar a vida dessa pessoa, jamais fariam isso. Sabe, não faz sentido “sofrer” se tem como “não sofrer”, e sim, eu sou absolutamente a favor da “medicina do bem-estar”, porque se existem meios de proporcionar mais bem-estar, de melhorar a qualidade de vida, porque não fazer isso? Não entendo!

Tem anos que faço acompanhamento com uma neurologista, já passei por vários medicamentos pro TDAH, e hoje o que funciona bem pra mim é o Venvanse, que custa o equivalente a dois rins, mas faz uma diferença enorme na minha vida. Posso viver sem o medicamento? Claro que sim, mas prefiro, com certeza, viver com ele, porque me faz bem, porque me dá qualidade de vida e porque tudo fica mais “fácil”, como parece ser para as outras pessoas.

Déficit de Atenção

O que muda com o remédio para déficit de atenção?

O que mudou depois do medicamento? Tudo! Minha impulsividade reduziu drasticamente, assim como a minha impaciência. Ainda sou muito acelerada, continuo tendo o “hiperfoco” nas coisas do meu interesse, mas também consigo prestar atenção nas outras coisas, o que era inviável. Continuo desorganizada, mas muito menos que antes, e convivo melhor comigo mesma e com as outras pessoas, sobretudo porque a necessidade de estímulo o tempo todo reduziu bastante.

Venanse, ritalina e concerta

Muita gente fala dos efeitos colaterais desses medicamentos e a minha experiência é a seguinte: existe sim um período de adaptação, e no caso da Ritalina “normal” eu me sentia meio “instável”, porque o período de ação do medicamento é curto, mas no caso da Ritalina LA, do Concerta ou do Venvance a coisa muda completamente. É assim com todo mundo? Lógico que não, mas só posso falar da minha experiência.

Eu não tenho nenhum efeito colateral e mesmo que tivesse iria “pesar na balança” pra ver se os benefícios compensariam. Quanto a isso, aliás, é bom lembrar que praticamente tudo na vida tem efeitos colaterais, e isso não significa que eu tô fazendo “apologia” ao uso de medicamento, só estou dizendo que não acho lógico que alguém não se trate quanto pode se tratar e viver melhor.

Enfim, quis falar sobre isso porque já comentei várias vezes no Face e muita gente pedia pra que eu fizesse um post (já fiz um vídeo também sobre isso, veja aqui), e quem quiser mais informações sugiro dar uma olhada no site do ABDA (aqui) e também no livro da Dr. Ana Beatriz Barbosa ( o site dela é esse aqui), que é psiquiatra, tem TDAH e escreveu um livro bem legal sobre o assunto, o Mentes Inquietas.

Beijos

Ju

Vizcaya
Escreva seu comentário

* Preenchimento obrigatório. Seu email não será divulgado.
Quer que sua foto apareça no comentário? Clique aqui.
56 comentários
  1. Rafaela Minuzzi Zanchetta  24/10/2014 - 11h44

    Legal Ju, acho importante expor esse tipo de informação, pois tem muita gente que desconhece do assunto. Talvez a pessoa passe por isso e não faça nem idéia, como o caso que vc citou. Beijos

    • Ju  24/10/2014 - 11h54

      Rafa, pois é, muita gente não tem nem ideia de que isso existe e passa a vida toda tendo problemas, sabe?
      Beijos :)

  2. Rafaela Minuzzi Zanchetta  24/10/2014 - 12h01

    Sim. Assim como a questão do Cortisol que você já comentou. Eu até fiquei com vontade de fazer um exame só por via das dúvidas. A gente desconhece tanta coisa que quando passa por certas situações acho bacana compartilhar para ajudar os outros.Beijos

  3. Fernanda Costa  24/10/2014 - 12h05

    Achei muito bom postares isso! Afinal, quem não tem suas limitações e problemas, né? E é exatamente o que falaste: “…não é um remédio que vai definir quem ou o que eu sou. Um remédio é só um remédio, e eu sou muito mais do que isso.”
    Eu tenho muitos problemas, faço tratamentos, enfim…
    (Esse livro “Mentes Inquietas” é muito bom, ganhei uma vez de um tio. Não cheguei a ler todo)
    Sou bipolar e isso causa muitos transtornos (tenho falta dificuldade de concentração também, e já fiz o curso Técnico em Informática e lidávamos com muita programação, o que exige muita atenção. rss…). Mas estou medicada, já tentei várias medicações e passei por inúmeras tentativas e combinações das mesmas. Há 16 anos passo por um “bocado” de altos e baixos, e baixos bem baixos. rs… Mas é assim, infelizmente não somos perfeitos.
    Beijão e sucesso sempre! Adoro-te e admiro-te muito!

    • Ju  24/10/2014 - 12h24

      Nanda, é isso aí! As pessoas têm tendência a rotular as coisas, né?
      E você é uma linda!
      Beijo enorme pra você e fique bem, sempreee! <3

  4. Fernanda Costa  24/10/2014 - 12h08

    Existe muito preconceito e desinformação quanto a esses problemas, o que nos deixa tristes. Eu canso com as tentativas das pessoas de quererem “ajudar-me” dizendo coisas sem maior fundamento. Mas já estou acostumada.

    • Ju  24/10/2014 - 12h25

      Verdade Nanda, muita desinformação, o que leva ao preconceito!

      • Fernanda Costa  24/10/2014 - 13h40

        É, é mania rotularem! :( Infelizmente!
        Querida!!! Adoro-te! Obrigada, tu também! Beijão!

      • Fernanda Costa  24/10/2014 - 13h42

        Exato! :(

  5. Bruna Bussular  24/10/2014 - 12h22

    Eu tenho Ju, mas ainda não iniciei o tratamento. Eu só olho reto, sabe? Tenho muita atenção para uma coisa, porém só o que me interessa. Sou muito inteligente. Iniciei a faculdade agora (infelizmente foi o único momento oportuno) depois de 10 anos sem estudar. Esse primeiro bimestre foi muito difícil na questão de organização, não consegui dar devidas atenções a todas as matérias (mesmo assim fiquei na média), mas a matéria de maior peso que é Anatomia, estou indo mega bem (e é a mais dificil, porem de meu maior interesse). Com isso, fiquei mega estressada e tive até crise de enxaqueca, coisa que não tenho.
    Tenho dificuldade tb em fazer trabalhos em grupo, pois eu garanto um excelente trabalho dentro do prazo e não consigo confiar em ninguém e o comodismo de alguns me tira do sério. Enfim… entre trancos e barrancos vou vivendo.. Kkkk Nesse segundo bimestre já me sinto pegando melhor as coisas, como se o cérebro estivesse engrenando novamente.

    Mas uma dúvida : neuro também trata ou apenas psiquiatra?

    • Ju  24/10/2014 - 12h27

      Bru, quando você começar a tomar o remédio tudo muda, é como se tirassem um véu dos olhos. Procure um médico, sério mesmo! Eu faço tratamento com a Neuro, pode ser neuro ou psiquiatra.
      Se eu tivesse feito isso antes tudo teria sido muito mais fácil, mas demorei, enrolei, sabe? Me arrependo!
      Beijos

  6. Glaucia  24/10/2014 - 12h38

    Nossa que post legal, muitissimo interessante! Pra mim que trabalho em escola convivo com muitos casos de alunos com problemas de comportamento. O tratamento adequado é ótimo para a criança e consequentemente para os professores e funcionários da escola e também para a familia do aluno.

    • Ju  24/10/2014 - 15h27

      Glaucia, na verdade todo mundo ganha quando a pessoa é tratada, né?
      Infelizmente muita gente trata do TDAH como tabu, o que uma besteira!
      Beijos

  7. Viviane  24/10/2014 - 12h58

    Nossa Ju. Como esse post me ajudou. Eu sempre pensei que fosse lerdinha. Mas vc tem razão, damos mais importância e foco ao que nos interessa mais. E dai nos perdemos um pouco. Chego à ser perfeccionista demais. Não tomo medicação, mas com o amadurecimento, fui tentando melhorar, me adaptar, mas é muito difícil mesmo.
    Quero muito procurar um especialista para que possa confirmar se tenho ou não o TDAH.
    Agradeço de coração a informação linda!! Beijos

    • Ju  24/10/2014 - 15h28

      Oi Vivi!
      Procure sim Vivi, quando o diagnostico é o feito e a pessoa é tratada, TUDO melhora!
      Beijos

  8. Lorena  24/10/2014 - 13h11

    Olá, não conhecia seu blog… e em uma pesquisa do google encontrei você por um acaso… e confesso que estou amando seus post… o legal que você é gente como agente, dá dicas de coisas e produtos mais acessíveis… e isso que é o legal e interessante. Continue esse trabalho legal que tem feito que com certeza seu blog só tem a ganhar e ter mais e mais seguidores…
    Bjoooooo
    Lorena(Uberlândia-MG)

    • Ju  24/10/2014 - 15h26

      Oi Lore, tudo bem? Seja bem vinda! :)
      Muito obrigada minha flor, fico feliz em saber que estás gostando!
      Beijos

  9. Sabrina Cattaneo  24/10/2014 - 14h43

    Ju, conforme lia seu post via a minha filha ela é exatamente assim como vc falou, e como mãe realmente me preocupo no bem estar dela e como isso pode afeta-la agora e no futuro. Confesso porem que estou um pouco negligente na questão de leva-la ao medico pq preciso encontrar um neuro bom que atenda criança aqui na minha cidade.
    Obrigada por compartilhar esses assuntos com a gente Ju, bjss

    • Ju  24/10/2014 - 15h25

      Oi Sa!
      Procure sim minha flor, vai ajudá-la muito se ela tiver DDA, sabe? Faz muita diferença fazer o tratamento!
      ;)
      Beijos

  10. Roberta  24/10/2014 - 15h37

    Ju, parabéns pelo post. Excelente e esclarecedor.
    Bju e bom fds!!

    • Ju  24/10/2014 - 15h45

      <3
      Bom final de semana pra você também flor!

  11. Amanda  24/10/2014 - 16h40

    Jú, lendo o texto me identifiquei muito. Nunca procurei saber, mas tenho praticamente todos os sintomas.
    Falo demais, sou hiper desorganizada, tenho vontade de chorar nos dias que a minha faxineira ñ vai, pq eu simplesmente, nao consigo organizar minha casa…
    Acho que vou procurar um psiquiatra para poder cuidar. Realmente, sinto que mato um leao por dia.
    Obrigada por esses despertar!
    Super beijo

  12. veronica  24/10/2014 - 16h48

    Ju adorei o post,porque eu tomo remedio para ansiedade e olha faz toda a diferença eu passei cinco anos sofrendo de ansiedade,parei de estudar, coisas simples se tornava complicado,foran anos negligenciando a doença,e com um tempo vc fica pior, comecar a toma remedio foi a melhor coisa que aconteceu, os efeitos se tornam poucos pelo o que eu ja tinha passado,ainda nao voltei a estudar mais to mil vezes melhor.

  13. Ariane  24/10/2014 - 18h58

    Amei seu post Juh (como Sempre rs) muito legal vc dividir isso com a gente. É muito saber disso, sabe as vezes as pessoas tem e (ou) conhecem alguem que tenham e ficam com vergonha, vc falando abertamente sobre isso e com naturalidade, ajuda muitas pessoas!
    Parabéns pela iniciativa! Bjus

  14. Vivian  24/10/2014 - 20h21

    Ju, muito bom seu post! Achei bonito você expor abertamente sobre o seu caso, sem medos nem tabus, pois como você usou uma linguagem acessível, vai ajudar muita gente!

    E que bom que o remédio traz resultados bons pra você! Pena que ele é caro, mas se te faz bem, vale a pena pagar, né?

    Beijos!

    Vivian

    • Ju  24/10/2014 - 21h26

      Oi Vivi!
      Obrigada minha flor! ;)
      Então, eu acho que o problema em si não é grande, grande é o tabu, o preconceito, o que é uma grande bobagem, né? Tem que levar com naturalidade, com leveza, não tem outro jeito!
      Pois é, é carooooo, mas compensa sim!
      Beijos

  15. Fabíola Leite Nonato  24/10/2014 - 20h48

    Ju querida,acompanho seu blog todos os dias desde o início,mas, nunca comentei,só que hoje você me emocionou com esse post,pois tenho um filho de 6 anos diagnosticado com TDHA,que faz acompanhamento com psicóloga,psiquiatra,toma Concerta e Depakote,sofremos muito até o diagnóstico e tratamento, hoje é visível os seus avanços em tudo, comportamento,aprendizado,agressividade,gostaria de está pessoalmente p/ te contar tudo o que já passamos,sou baiana mais moro em São Paulo.Deus abençoe e saiba que és muito especial.

    • Ju  27/10/2014 - 12h07

      Fa, muito obrigada minha flor! <3
      Espero que seu filhinho fique cada vez melhor, viu?
      Beijos

  16. Fernanda Pontes  24/10/2014 - 21h58

    Ju, muito legal a sua iniciativa! Saiba que vc me ajudou muito com seu depoimento. Vou mostrar seu texto ao , ei noivo e tentar convence- lo a ir ao médico. Ele faz tratamento pra ansiedade mas acho q ele tá tratando a coisa errada e ao ler seu texto tive mais certeza disso ainda.eu ja vinha percebendo alguns comportamentos característicos do deficit de atenção e pesquisei sobre o assunto e o seu depoimento chancelou o que eu desconfiava. Obrigada! Bjs flor

  17. Isabel  24/10/2014 - 23h41

    Ju, descobri teu blog um dia desses e só tenho motivos pra te admirar. Ótimo post, bastante esclarecedor. Só queria que alguns pais tivessem esse cuidado de investigar o problema e permitir que os filhos façam o tratamento. É uma questão séria, porque por pura vaidade, fazem os filhos sofrer. Beijo e obrigada por compartilhar sua vida conosco!

    • Ju  25/10/2014 - 10h12

      Oi Isa, seja bem vinda! :)
      Mas muitos, na correria do dia a dia, deixam passar. Tem um caso desses bem próximo, já disse dezenas de vezes pra levar a criança no médico, porque “me vejo nela”, já me ofereci pra levar até, mas a mãe não se importa… :( É triste, né?
      Beijos e muito obrigada você!

  18. Giovana Andrea da Silva  25/10/2014 - 10h01

    Oi Ju! Por isso q eu te gosto tanto. Vc fala de coisas bem pessoais sem o menor “pudor” e se mostra mesmo. Muito corajoso. Acho que a gente se acostuma a se esconder tanto e e ter vergonha das limitações, ou melhor das diferenças,que deixa de viver. Se vc se escondesse ou tivesse vergonha de ser quem vc é a gente não tinha te conhecido! Bjos!

    • Ju  25/10/2014 - 10h07

      Oi Gio!
      Obrigada pelo carinho minha flor!
      Gio, eu acredito que na grande maioria dos casos o que deixa tudo pior é o preconceito, é o esconder, sabe? Quando a gente fala, e fala de forma simples e leve, as coisas começam a ser tratadas com mais naturalidade, como tem que ser.
      Imagina, eu não tenho vergonha nenhuma, e não posso “negar” uma coisa que faz parte de mim, também não faria isso porque fazer seria acreditar que isso me define, e não me define.
      Beijos <3

  19. Leila Sousa  25/10/2014 - 15h39

    Tenho um filho de 8 anos que é muito discriminado por ter TDHA.
    Ele anda sofrendo muito na escola inclusive porque os professores não sabem lidar com ele e nem ao menos tentam.
    E o pior é que não fazem a ponte para que as outras crianças possam interagir com ele. Preciso trocar ele de escola mas para isso a outra escola precisa aceitá-lo como aluno. Imaginem que situação?!? Ando desesperada viu….se eu pudesse ele nem frequentava escola nenhuma só para não se destratado e sofrer com a falta de tato desses ditos educadores.

    • Ju  27/10/2014 - 12h07

      Leila, que absurdo isso!
      Já conversou com a escola, com os professores e diretores?
      Beijos

      • Leila Sousa  27/10/2014 - 13h30

        Conversa e promessa é o que não falta, mas na prática todos fazem ouvido de mercador.
        Dessa escola já desisti, mas de ajudar meu filho nunca.

      • Ju  01/11/2014 - 17h51

        Nossa Leila, que triste isso, as escolas precisam estar mais preparadas!

  20. danielle  25/10/2014 - 16h19

    Ju tenho tdah mas nao uso medicamneto, fiquei ate curisosa pra experimentar, mas vamso combinar nós hiperativas somos muito inteligentes e interessantimas né: eo melhor de tudo somos criatvias ao extremas s]o precisamos de um filtro haha

  21. Flav  26/10/2014 - 04h45

    Ju, como é o exame para a pessoa descobrir que tem TDAH? Como foi para você decidir ir ao médico?

    Eu me identifiquei bastante com o texto, durante meu ensino médio e faculdade recebia apelidos como “avoada”, “lenta”; mas, assim como no seu caso, sempre fui inteligente e consegui passar no vestibular sem problemas, mas lembro que sempre chegava a demorar muito mais pra absorver um conteúdo que outras pessoas (principalmente leitura, que eu me disperso com muita facilidade).

    Aproveito pra dizer o quanto AMO seu blog e desde que me entendo por gente seu blog é meu favorito, que eu acompanho religiosamente todos os dias, adoro como você consegue falar de assuntos tão variados e parece que sempre consegue postar sobre algo que nós precisamos ler.

    Beijão, linda!

    • Ju  27/10/2014 - 12h09

      Fla, quem me alertou foi um professor, daí procurei um neuro, fiz os exames/testes… Procure um médico, se for realmente TDAH você pode começar o tratamento, o que ajud amuito!
      Aiiii, que bom saber disso meu anjo, que bom! <3
      Beijos

      • gabriel requene  06/08/2015 - 16h00

        eu tenho TDH descobri poucos dias , por informarçoes eu NÃO estou triste de saber que tenho TDAH sim como saber de mais pessoas tambem, tem e sou cara inperfeito mas com alguns poblemas posso resolver

  22. Susana  26/10/2014 - 16h52

    Oi Ju,
    Tb tenho défict de atenção. O preconceito é fruto da ignorância.
    O déficit de atenção não interfere na inteligência nem no QI.
    Aliás, grande parte dos considerados gênios pela humanidade tinha TDAH, e isso foi( além da sua inteligência) um dos fatores que os ajudou a alcançar os resultados que alcançaram porque se por um lado ele atrapalha na atenção e provoca distração e protelação, por outro desenvolve o hiperfoco o que nesses casos não foi um problema mas uma benção.

    O défit de atenção me prejudicou em muitas coisas ao longo da minha vida, mas também me ajudou em outras. Passei num dos concursos públicos mais concorridos e cobiçados do país( o meu 1º concurso), estudando apenas 6 meses, recém saída da faculdade. O hiperfoco me ajudou muito e acabou sendo uma vantagem nesse caso.

    Com o tempo vamos aprendendo a lidar melhor com ele. Já tomei ritalina e concerta e não me adaptei, então hoje ainda convivo com os problemas decorrentes do déficit , em especial a protelação crônica, mas melhorei muito.

    Antes perdia carteira de identidade, cartão de crédito, celular como quem perde uma caneta, hoje tem anos que não perco nada. Fui aprendendo a ficar mais atenta. Sempre que saio do táxi, por exemplo, olho o banco para ver se não deixei cair nada( saí do TDAH para quase um TOC rs).

    Mas é isso, tem gente que tem diabetes, tem gente que tem TDAH, então super concordo com vc que não é motivo de vergonha,depois que descobri nunca escondi de ninguém.

    Agora, mudando de assunto. Menina esse site é viciante. Virei ele do avesso, em 2 dias li as 77 páginas da seção beleza e umas 40 da seção cabelos( hiperfoco eu sei). Virei o blog de cabeça para baixo e já fiz uma mega lista dos melhores produtos.

    Queria te agradecer pela sua disponibilidade e gentileza de compartilhar suas experiências porque imagino o trabalho que é fazer cada postagem, o cuidado com o texto, com as fotos, dá para perceber o carinho que vc coloca em cada postagem.

    Eu confesso que já fui mais vaidosa. Sou meio de lua, tem fases que estou super vaidosa, mulherzinha e tem momentos que estou meio pedrita, fico meses sem fazer unha( sim eu confesso), sem usar hidratante só não descuido do cabelo. Mas de uma hora para outra volta a fase vaidosa e procuro me cuidar mais.

    Talvez se fosse leonina seria mais constante nos meus cuidados, mas capricorniana com ascendente em sagitário, sou meio desapegada aí quando a coisa fica feia caio na real e vejo que tenho que me cuidar mais.

    Como estou nesse momento mais mulherzinha então seu blog caiu como uma luva e estou adorando todos os produtos que vc indicou, já usei a SOS e amei e estou louca para testar os outros produtos.
    Escrevi uma Bília, eu sei, mas deu vontade de falar, fazer o quê ?:)

    bjs
    Susana

    • Ju  01/11/2014 - 17h54

      Su, você disse tudo! As pessoas ainda têm um preconceito bobo, ficam sem querer falar, e isso porque muita gente faz “terror” em cima disso, né?
      Mas que bom que você está indo, é isso o que importa!
      hahah Que bommmmmm saber disso! <3 Menina, que hiperfoco esse seu! kkkk
      Obrigada Si... Eu tenho o maior amor do mundo por isso aqui, mesmo, mesmo, mesmo!
      Eita, adoro capricórnio, vocês são MUITO mais "pé no chão"!
      Volta pra contar o que achou dos produtos e qualquer coisa é só perguntar, tá?
      Beijos <3

  23. Carol  27/10/2014 - 15h08

    Adorei seu post, Jú. Acompanho seu blog há algum tempo… Descobri recentemente que tenho TDAH, e é exatamente como vc descreveu no texto. Tô tentando me adaptar ainda com Ritalina normal,mas é fato que depois do tratamento a qualidade de vida melhora mtooo. Enfim, parabéns pelo post, Jú!

    • Ju  01/11/2014 - 17h50

      Oi Rol, que bom saber disso! ;)
      Aos poucos você se acostuma, e que bommmmm que você já notou diferença, que bom!
      Obrigada Rol!
      Beijos

  24. Flavia  11/12/2014 - 10h10

    Ju, desde que li seu texto sobre Déficit de Atenção minha vida mudou!Percebi muitos destes sintomas em mim, em minha mãe e em meu sobrinho. Diante disso, achei que se a mudança começasse pela minha mãe, certamente ela ajudaria muito meu sobrinho, por isso insisti para que minha mãe questionasse o psiquiátra que ela frequenta, sobre um diagnóstico a respeito, que de cara foi positivo. Atualmente ela está tomando ritalina LA, e hoje após eu ler o livro “Mentes inquietas” da Ana Beatriz, acredito que eu também tenha uma chance de também ter déficit de atenção, sofri muito até chegar aqui, sou advogada, mas tenho problemas de concentração, me pego diversas vezes divagando…Faço muitas coisas ao mesmo tempo e não consigo terminar tudo…Enfim, me sinto carregando correntes e isso é um fardo muito pesado…Estou aguardando uma consulta médica para fazer um teste e quero muito agradecer à você por ser essa pessoa tão especial, que sempre compartilha de tudo um pouco, desde receitinhas “gambi” a conversas francas que envolvem sua vida pessoal como dizer “tenho sim déficit de atenção”. Acredito que Deus permite que alguns espíritos reencarnem com a principal finalidade de ajudar o próximo, de esclarecer, e com certeza você é um desses espíritos, que possui grande sabedoria e é muito iluminada! Que Deus continue a te abençoar imensamente hoje e sempre!!!!Um beijo!!! Flavia

  25. Cris Cogo  21/01/2015 - 16h34

    Ju, como vc descobriu que tinha tdah?
    Ando lendo umas coisas e me encaixo em tudo…menos na hiperatividade.

    Já fiz tantas atrapalhadas! o.O

  26. patricia  11/05/2015 - 22h40

    Ju, adorei ler seu post sobre esse assunto. Estou passando por esse problema com minha filha ela tem 10 anos, digo problema pq ela foi diagnosticada recentemente e antes disso sei que ela sofreu muitos com cobranças de todos principalmente minha :(, mas agora com o tratamento que ela ta fazendo e sendo acompanhada por psicologa e pedagoga ta começando a melhorar. Por isso é bom saber relatos de pessoas que passaram e passam ate hoje por isso. Estou buscando de todas as formas meios para ajuda-la. Vou adorar ver o seu video bjs fica com Deus.

  27. Mariana Areias  11/05/2015 - 23h01

    Ju, me identifiquei muito com seu texto, vou procurar um médico, você acha melhor procurar um neuro ou um psiquiatra? Bjs.

  28. […] falei por aqui sobre o TDAH, e não é segredo pra ninguém que tenho déficit de atenção, né? Sei que muita gente ainda acha que esse tipo de coisa deve ficar “guardada”, mas […]

  29. Carla  13/07/2015 - 22h57

    Sempre gosto muito do que leio no seu site, bastante comum eu pesquisar acerca de um assunto e cair aqui e, muito legal, partilhar na grande maioria das vezes da sua linha de pensamento e dos gostos pelos produtchinhos…
    Eu tb sou TDHA, confesso que nem todos que convivem comigo sabem, pois o preconceito é enorme e não tenho ‘saco’ para explicar e tentar libertar algumas pessoas da ignorância (realmente sou indiferente ao que as pessoas pensam e só de pensar em ‘argumentar e argumentar’ já me cansa e deixo de lado), quem eu amo sabe (mãe, irmãos e noivo), pra mim é suficiente.
    Sou divorciada, tenho várias profissões e já deixei dois concursos públicos dificílimos… pena que o tratamento chegou tarde na minha vida, poderia ter evitado muito estrago causado por minha ‘mente inquieta’. Hoje estou reconstruindo a minha vida, uso ritalina, 10mg 2x ao dia, mas é o suficiente para me deixar no prumo. Venvanse me causa disforia (tristeza sem fim…). Bjos, sucesso e felicidade!!! Só quem eh dda sabe dos estragos sofridos se o turbilhão não for domado.

  30. Misleine  25/07/2015 - 00h48

    Querida Ju, seu astral e dicas me fazem muito bem. Voce tem um humor inteligente. E é linda! E me senti abracada por este texto e o video que vi hoje sobre tdah. Tambem tenho, descobri e comecei a tratar há um ano, com o abençoado Venvanse. Sou casada, dois filhos pequenos. O quanto penei até descobpedras.Nunca chegar no horario, intragavel de tao impulsiva, o caos da bagunca, ia nos lugares e esquecia a bolsa e bla bla bla, voce sabe bem.É realmente libertador descobrir e tomar o medicamento. É outra vida, voce sabe bem… Eu comprei o livro da doutora porque acho que minha filha de 8 anos também tem… Mas vai sofrer menos que eu, pois já sei o caminho das pedras. Por fim, te agradecer por este post. Fique com Deus! Bjsss

  31. Daniela  30/09/2015 - 11h35

    Ju, muito interessante você falar sobre assunto, meu sobrinho tem TDAH ele faz tratamento desde criança e depois que entrou na adolescência começou a desenvolver uns tiques , ele faz uns sons involuntários o tempo todo, tem dias está mais tranquilo, mas tem dias que é constante, isso nos deixa tão mal sabe? Porque nós sempre apoiamos ele, e nunca deixamos que ele fique constrangido por causa disso, eu acredito que isso deve melhorar, que a piora foi por causa da adolescência, mas o nosso medo é q isso acabe atrapalhando a vida social dele, na escola os colegas tiram sarro e isso corta nossa coração =(

  32. Elaine Carla Pereira Nunes  05/02/2016 - 21h53

    Amei a materia.
    Eu nao tenho TDAH, mas achei muito informativa a materia e de fato as pessoas precisam deixar de lado as ideias pre-concebidas e separar o problema da pessoa.
    Existe um ser humano lindo, muito superior e criativo do que qualquer TDHA ou problema psíquico.
    Parabéns, Ju pela postagem e pela pessoa inteligente e linda que vc é.
    Bjs

  33. Marcia  25/09/2016 - 17h57

    Ju, o q fez vc resolver procurar ajuda?

O que você acha do JV?
Ju, amo seu blog!!! suas dicas!!! vc é maravilhosa com sua opinião honesta!!! Sempre quando quero comprar algum produto venho aqui pra ver o que…