Vizcaya
24.10.2016

Sobre o Uso da Ritalina no Déficit de Atenção

Li um texto ontem sobre a Ritalina que me deixou tão irritada que, mesmo não usando e não gostando do medicamento, tive que sentar pra escrever esse post.

Não é novidade pra ninguém que tenho déficit de atenção, né? Já falei disso por aqui em post e em vídeo, e sempre faço algum comentário sobre o assunto nas redes sociais.

Fui diagnosticada cedo, usei todos os medicamentos disponíveis para o TDAH, experimentei tratamentos diversos, e acho sim que terapia e/ou acompanhamento psicológico, tanto para o paciente como para a família, sobretudo quando se trata de uma criança, é de suma importância, mas o medicamento é, na imensa maioria dos casos, essencial.

ritalina no déficit de atenção TDAH

E se é essencial, porque melhora a vida da pessoa (e isso é o que me interessa), que loucura é essa de demonizar o medicamento? E, pra piorar, fazer isso generalizando e sem oferecer opções?  Porque sim,  existem casos, que não são poucos (e eu sou um exemplo disso), em que tirar o medicamento não é uma opção.

Não é assim que a banda toca não, amiguinha.  O buraco, com certeza, é muito mais embaixo, mas isso só sabe quem já viveu os muitos lados da moeda, quem já sentiu na pele.

Ritalina é boa ou ruim?

O texto, que está em um site de psicologia, diz, basicamente, que a Ritalina transforma a pessoa num zumbi, num robozinho sem emoções que não questiona nada, que não sonha, não “viaja”, não tem fantasias.

É engraçado ler esse tipo de coisa porque, tendo sido diagnosticada na infância e já tendo 34 anos, tomei Ritalina por muitos anos, até porque por aqui só tinha ela mesmo, e só me arrependo de não ter tomado de forma ininterrupta, o que, com certeza, teria tornado a minha vida muito mais fácil.

Nesses anos todos não me recordo, em absoluto, de me comportar como um zumbi, de não questionar, de não imaginar, de não sonhar. Ao contrário. Questiono tudo o tempo inteiro, nunca fui o tipo de pessoa facilmente controlável, mesmo quando criança, e sonho muito, crio muito, faço muito.

E se hoje consigo fazer tudo o que faço, agradeço imensamente a cada um dos medicamentos que tomei, porque eles me deram (e dão) qualidade de vida, que é o mais importante.

É fato que não gosto da Ritalina (a comum, de 10mg), e já falei disso aqui. Mas não gosto porque o efeito dela não dura muito tempo, e isso me desestabiliza. Só que não posso ser rasa e dizer que ele não presta e pronto. Presta sim, é útil e dá qualidade de vida pra muita gente que realmente precisa do medicamento, e isso é de fundamental importância.

Hoje tomo o Venvanse, que é da mesma “família”, e também alguns suplementos e até hormônios que, supostamente, ajudam, como o pregnenolone, e sequer cogito a hipótese de ficar sem ele, porque com ele a minha vida é muito melhor.

nem boa, nem ruim: a Ritalina é necessária pra muita gente

A Ritalina tem efeitos colaterais? Claro, como em qualquer medicamento. Existem riscos? Lógico. Vai funcionar da mesma forma pra todas as pessoas? Evidente que não. Mas, se existe um problema, e existe um medicamento que ajude a conviver com esse problema, a facilitar, a melhorar a qualidade de vida de quem tem esse problema, me parece óbvio que é preciso dar uma chance pra ele.

E é por isso que esse tipo de texto me incomoda tanto. Porque, como ainda existe muito preconceito e muita desinformação, é preciso ser menos superficial e generalista. É preciso informar corretamente, mostrando todas as possibilidades, todos os lados da moeda, sabe?

Porque sim, a Ritalina tem seus defeitos, é mal utilizada (principalmente por quem toma Ritalina para estudar) e pode causar problemas, mas pode, também, ajudar muitas pessoas, como me ajudou no início, e não assumir isso seria uma leviandade.

E não, a Ritalina não é uma ameaça ao futuro, embora eu tenha severas críticas a ela. O que ameaça o futuro e destrói o presente é a desinformação propagada por uns e outros.

Beijos, Ju♥

Vamos papear nas redes sociais⇒ Instagram ♥ Snapchat ♥ Twitter ♥ Pinterest ♥Facebook⇒   @jurovalendo

Vizcaya
15.05.2015

TDAH – Sim, eu tenho déficit de atenção

Já falei por aqui sobre o TDAH, e não é segredo pra ninguém que tenho déficit de atenção, né? Sei que muita gente ainda acha que esse tipo de coisa deve ficar “guardada”, mas acho justamente o contrário, que as coisas precisam ser colocadas “em cima da mesa” e tratadas com leveza e naturalidade.

Seriam necessários muitos vídeos pra conseguir falar tudo porque, afinal, são 32 anos de “experiência” e muita história pra contar. Mas, fui falando o que fui lembrando, assim sem “roteiro” nenhum. Então, com certeza “pulei” muita coisa e fui rápida, senão o vídeo ficaria gigante.

tdah-déficit-de-atenção

O que é TDAH? Sintomas, Tratamento, Etc

Acho que não é necessário, mas não custa lembrar: quem pode te orientar sobre o TDAH é o seu médico (neuro, psiquiatra…). Eu só posso falar da minha experiência, do que vivi e vivo, porque cada pessoa tem uma trajetória diferente, com experiências também diferentes, então é impossível generalizar, inclusive em relação aos medicamentos.

Ou seja, veja o vídeo como um depoimento, como um relato, apenas isso. Não assista como um vídeo de informações médicas/teóricas, porque isso ele não é.

E se vocês tiverem qualquer tipo de dúvida ou se quiserem fazer alguma pergunta, podem fazer que faço um vídeo respondendo, tá? Nenhuma pergunta é “boba”, tudo é válido, gente.  Falo isso porque  um dos principais problemas em relação ao TDAH é a falta de informação ou, em muitos casos, a informação errada. É isso, aliás, que transforma uma coisa que pode ser simples em tabu, em bicho de sete cabeças.

Espero que vocês gostem do vídeo (eu vou melhorar nessa história de vídeo, tenham calma! rs) e quem quiser ler o post que escrevi sobre isso é só clicar aqui.

E se você ainda não se inscreveu lá no canal, bora tratar de fazer isso logo (clique aqui), viu? Tudooooo chega antes por lá pra só depois vir pra cá!

Beijos, Ju♥

Quer papear mais? Siga nossas Redes Sociais ⇒ Instagram ♥ Snapchat ♥ Twitter ♥ Pinterest ♥Facebook⇒   @jurovalendo

24.10.2014

Déficit de Atenção Sim, E Daí?

Comentei tempos atrás Face que tava precisando de um “bolsa farmácia” por causa do preço do Venvanse (da Ritalina LA e do Concerta também!) e uma leitora, com o intuito de me preservar, ressaltou que era pra ter cuidado em falar sobre isso porque ainda existe muito preconceito com o TDAH, que, pra quem não conhece, é o Déficit de Atenção.

Agradeci de coração o cuidado, mas preferi fazer o oposto, porque não é um remédio que vai definir quem ou o que eu sou. Um remédio é só um remédio, e eu sou muito mais do que isso.

Muitas vezes questionei se isso era mesmo déficit de atenção porque pra mim parece meio lógico só prestar atenção no que me interessa, e até hoje acho a nomenclatura equivocada, mas isso também é uma besteira e não vou perder tempo com essas coisas.

Déficit de Atenção

 O que é Déficit de Atenção

O fato é que, sim, eu tenho déficit de atenção e não vejo nada demais nisso. Vejo mais como um conjunto de características diferentes, com limitações um pouco diferentes, mas, afinal, quem não tem características e limitações diferentes?

Acho bobo isso de rotular, sabe? E não vejo isso como um “bicho de 7 cabeças”, mas como um “padrão diferente”, que precisa sim de “tratamento”, mas que, sobretudo, precisa ser encarado com leveza, com naturalidade, sem drama e sem fuê.

Meu maior problema em relação ao TDAH sempre foi a falta de organização, e isso é sim uma coisa muito complicada porque minha vida era um caos. Esquecia as coisas, me embolava, não conseguia ter um equilíbrio, sabe? Isso,  assim como o fato de ser extremamente impaciente e muito impulsiva, gerou muitas coisas ruins, e só melhorou com o uso do medicamento.

Deficiência de atenção não é deficiência de aprendizado

Entretanto, nunca tive deficiência de aprendizado, ao contrário, sempre aprendi tudo muito rápido, mas do meu jeito, o que me interessava, o que chamava a minha atenção (matemática, obviamente, não era exatamente o que despertava a minha atenção, e não conseguia aprender!rs). Em compensação, não dava conta de prestar atenção numa aula inteira (exceto nas das minhas matérias preferidas), ficava inquieta, levantava várias vezes, o que era bem chato (principalmente para os outros).

Nada disso me impediu de estudar, fazer faculdade ou algo do tipo, até porque só fui começar a fazer o tratamento (de forma séria) bem depois de terminar a faculdade. Passei no vestibular sem precisar de cursinho, fiz Direito numa excelente universidade, era uma ótima aluna nas matérias do meu interesse e mediana nas outras e passei na OAB sem problemas.

Déficit de Atenção

Ou seja, o estigma de que uma pessoa que tem déficit de atenção é burra, como já ouvi várias vezes, é absurdo. Acredito que muitos dos “limites” somos nós que  colocamos na nossa cabeça, e eu nunca acreditei em limites.

O tratamento do TDAH é essencial!

Assim como é absurdo ver pais que se recusam a, após o diagnóstico, tratar seus filhos porque “psiquiatra é coisa de doido” e “tarja preta é coisa de maluco”. Claro que existe um exagero na prescrição de Ritalina, que muita gente toma sem a menor necessidade e lógico que “nem tudo é TDAH”, mas eu, que conheço os dois lados da história, acho de uma negligência sem tamanho deixar de tratar o que precisa (e pode!) ser tratado por puro preconceito.

Se essas pessoas soubessem o quanto o tratamento adequado vai melhorar a qualidade de vida da criança (adolescente ou adulto) com TDAH, o quanto vai mudar a vida dessa pessoa, jamais fariam isso. Sabe, não faz sentido “sofrer” se tem como “não sofrer”, e sim, eu sou absolutamente a favor da “medicina do bem-estar”, porque se existem meios de proporcionar mais bem-estar, de melhorar a qualidade de vida, porque não fazer isso? Não entendo!

Tem anos que faço acompanhamento com uma neurologista, já passei por vários medicamentos pro TDAH, e hoje o que funciona bem pra mim é o Venvanse, que custa o equivalente a dois rins, mas faz uma diferença enorme na minha vida. Posso viver sem o medicamento? Claro que sim, mas prefiro, com certeza, viver com ele, porque me faz bem, porque me dá qualidade de vida e porque tudo fica mais “fácil”, como parece ser para as outras pessoas.

Déficit de Atenção

O que muda com o remédio para déficit de atenção?

O que mudou depois do medicamento? Tudo! Minha impulsividade reduziu drasticamente, assim como a minha impaciência. Ainda sou muito acelerada, continuo tendo o “hiperfoco” nas coisas do meu interesse, mas também consigo prestar atenção nas outras coisas, o que era inviável. Continuo desorganizada, mas muito menos que antes, e convivo melhor comigo mesma e com as outras pessoas, sobretudo porque a necessidade de estímulo o tempo todo reduziu bastante.

Venanse, ritalina e concerta

Muita gente fala dos efeitos colaterais desses medicamentos e a minha experiência é a seguinte: existe sim um período de adaptação, e no caso da Ritalina “normal” eu me sentia meio “instável”, porque o período de ação do medicamento é curto, mas no caso da Ritalina LA, do Concerta ou do Venvance a coisa muda completamente. É assim com todo mundo? Lógico que não, mas só posso falar da minha experiência.

Eu não tenho nenhum efeito colateral e mesmo que tivesse iria “pesar na balança” pra ver se os benefícios compensariam. Quanto a isso, aliás, é bom lembrar que praticamente tudo na vida tem efeitos colaterais, e isso não significa que eu tô fazendo “apologia” ao uso de medicamento, só estou dizendo que não acho lógico que alguém não se trate quanto pode se tratar e viver melhor.

Enfim, quis falar sobre isso porque já comentei várias vezes no Face e muita gente pedia pra que eu fizesse um post (já fiz um vídeo também sobre isso, veja aqui), e quem quiser mais informações sugiro dar uma olhada no site do ABDA (aqui) e também no livro da Dr. Ana Beatriz Barbosa ( o site dela é esse aqui), que é psiquiatra, tem TDAH e escreveu um livro bem legal sobre o assunto, o Mentes Inquietas.

Beijos

Ju

O que você acha do JV?
Ju, amo seu blog!!! suas dicas!!! vc é maravilhosa com sua opinião honesta!!! Sempre quando quero comprar algum produto venho aqui pra ver o que…