Vizcaya
07.02.2017

Sobre Amar o Próprio Corpo

Essa semana falei rapidamente nas redes sociais sobre amar o próprio corpo, mas como por lá não dá pra falar tanto quanto eu gostaria, resolvi falar por aqui também.

Não se fala em outra coisa, aliás, e isso é maravilhoso, só que a coisa não é tão simples como parece, e nem tão rasa.

A gente sabe o papel que a mídia, de modo geral, tem na criação e propagação de padrões de beleza inatingíveis e na busca obsessiva pelo que seria o corpo perfeito, bem como na pressão que tudo isso exerce sobre todas nós.

Só que se fosse só a mídia a coisa seria muito mais fácil de resolver. E não é.

Não é porque existe um fator religioso e cultural determinante nisso tudo. Desde pequenas, somos ensinadas a ser contra, a negar, a ter vergonha do próprio corpo, um belo trabalho feito por quase todas as religiões do mundo, a exceção, até onde sei,  do Tantra, que entendeu que, por ser a base do ser humano, a sua raiz no mundo físico, ele precisa ser não só aceito em sua plenitude, mas respeitado, amado e, sim, reverenciado, como um presente da Existência.

sobre amar o próprio corpo juro valendo ju lopes

“Tua alma habita teu corpo, trate-o bem”

Nós aprendemos, por vias tortas, que é pecado, porque vaidade, admirar o nosso corpo. E se for o corpo do outro, é “luxúria”. Aprendemos que nos tocar é sujo, feio, obsceno. Que tocar o outro e sentir prazer com o próprio corpo é indecente e imoral, a menos que você seja casada ou, no mínimo, esteja em uma “relação séria”.

Agora, me diz: como é que a gente vai amar o que aprendeu, lá atrás, a desprezar? Como vai ter orgulho do que foi ensinado a ter vergonha? Como vai encontrar beleza no que é fonte de pecado, no que assimilou, lá no inconsciente, a impureza e a tantas coisas ruins, hein?

Não vai, gente, não vai.  Você pode até achar que não, mas isso está sim no inconsciente da maioria, e é repassado geração após geração por nós mesmas, que deveríamos, ao contrário, aprender e ensinar a cultivar o amor e o respeito pelo corpo, a não negar o próprio corpo.

E isso é infinitamente mais difícil que lidar com padrões impostos pela mídia, porque a esmagadora maioria tem isso tão entranhado no próprio ser que sequer percebe a ligação entre uma coisa e outra.

Como aprender a amar o próprio corpo?

Pra amar o próprio corpo a gente precisa, primeiro, parar de condená-lo, parar de olhar pra ele como algo “impuro”, errado, e aprender a respeitá-lo. Você tem que ser amoroso com o seu corpo, tem que tratá-lo bem, tem que cuidar, que proteger, que entender que ele é uma dádiva, é um presente, e isso já basta para que ele seja cheio de beleza.

Eu demorei uma vida inteira pra entender isso, pra ter o “click” de que a coisa toda estava errada, de que o buraco era bem mais embaixo do que eu imaginava, e hoje já começo a perceber que “o caminho” não é mudar o meu corpo pra que eu possa amá-lo, mas o contrário.

Porque a partir do momento que comecei a me livrar de toda essa ideia equivocada que fui aprendendo e lapidando ao longo da vida, entendi que meu corpo não é apenas bom, mas fonte de milhares de coisas maravilhosas, e que eu tenho sim que desfrutá-lo e apreciá-lo. E que não tem nada de errado, de feio ou de sujo nisso.

Quando, há pouquíssimo tempo, comecei a agir dessa forma, a olhar pra mim mesma com mais amor, generosidade e leveza,  comecei a cuidar do meu corpo muito melhor, um cuidado que nada tem a ver com perfeição ou com padrão, mas sim com o zelo que temos com tudo aquilo que amamos.

Não faço a menor ideia de onde isso vai dar, mas garanto que tenho tido uma relação muito mais sadia, bonita e verdadeira com o meu corpo e comigo mesma, coisa que todas nós deveríamos ter aprendido desde o começo.

Beijos, Ju♥

Ei, vamos ficar juntinhas nas redes sociais⇒ Instagram ♥ Snapchat ♥ Twitter ♥ Pinterest ♥Facebook⇒ @jurovalendo

Vizcaya
Escreva seu comentário

Notice: Undefined variable: user_ID in /usr/share/nginx/www/jurovalendo.com.br/wp-content/themes/plicplac/comments.php on line 35

* Preenchimento obrigatório. Seu email não será divulgado.
Quer que sua foto apareça no comentário? Clique aqui.
2 comentários
  1. Sandra Marques de Paiva  08/02/2017 - 08h06

    Bonito texto. Nunca pensei nas coisas por esse prisma, mas é verdade :)

    • Ju  08/02/2017 - 10h45

      Obrigada, Sandrinha!

O que você acha do JV?
Eu acho esse blog maravilhoso. A Ju fala de tudo com muita emoção, muito carinho e ao mesmo tempo muita verdade, muita seriedade. Isso é…