Vizcaya
07.02.2017

Sobre Amar o Próprio Corpo

Essa semana falei rapidamente nas redes sociais sobre amar o próprio corpo, mas como por lá não dá pra falar tanto quanto eu gostaria, resolvi falar por aqui também.

Não se fala em outra coisa, aliás, e isso é maravilhoso, só que a coisa não é tão simples como parece, e nem tão rasa.

A gente sabe o papel que a mídia, de modo geral, tem na criação e propagação de padrões de beleza inatingíveis e na busca obsessiva pelo que seria o corpo perfeito, bem como na pressão que tudo isso exerce sobre todas nós.

Só que se fosse só a mídia a coisa seria muito mais fácil de resolver. E não é.

Não é porque existe um fator religioso e cultural determinante nisso tudo. Desde pequenas, somos ensinadas a ser contra, a negar, a ter vergonha do próprio corpo, um belo trabalho feito por quase todas as religiões do mundo, a exceção, até onde sei,  do Tantra, que entendeu que, por ser a base do ser humano, a sua raiz no mundo físico, ele precisa ser não só aceito em sua plenitude, mas respeitado, amado e, sim, reverenciado, como um presente da Existência.

sobre amar o próprio corpo juro valendo ju lopes

“Tua alma habita teu corpo, trate-o bem”

Nós aprendemos, por vias tortas, que é pecado, porque vaidade, admirar o nosso corpo. E se for o corpo do outro, é “luxúria”. Aprendemos que nos tocar é sujo, feio, obsceno. Que tocar o outro e sentir prazer com o próprio corpo é indecente e imoral, a menos que você seja casada ou, no mínimo, esteja em uma “relação séria”.

Agora, me diz: como é que a gente vai amar o que aprendeu, lá atrás, a desprezar? Como vai ter orgulho do que foi ensinado a ter vergonha? Como vai encontrar beleza no que é fonte de pecado, no que assimilou, lá no inconsciente, a impureza e a tantas coisas ruins, hein?

Não vai, gente, não vai.  Você pode até achar que não, mas isso está sim no inconsciente da maioria, e é repassado geração após geração por nós mesmas, que deveríamos, ao contrário, aprender e ensinar a cultivar o amor e o respeito pelo corpo, a não negar o próprio corpo.

E isso é infinitamente mais difícil que lidar com padrões impostos pela mídia, porque a esmagadora maioria tem isso tão entranhado no próprio ser que sequer percebe a ligação entre uma coisa e outra.

Como aprender a amar o próprio corpo?

Pra amar o próprio corpo a gente precisa, primeiro, parar de condená-lo, parar de olhar pra ele como algo “impuro”, errado, e aprender a respeitá-lo. Você tem que ser amoroso com o seu corpo, tem que tratá-lo bem, tem que cuidar, que proteger, que entender que ele é uma dádiva, é um presente, e isso já basta para que ele seja cheio de beleza.

Eu demorei uma vida inteira pra entender isso, pra ter o “click” de que a coisa toda estava errada, de que o buraco era bem mais embaixo do que eu imaginava, e hoje já começo a perceber que “o caminho” não é mudar o meu corpo pra que eu possa amá-lo, mas o contrário.

Porque a partir do momento que comecei a me livrar de toda essa ideia equivocada que fui aprendendo e lapidando ao longo da vida, entendi que meu corpo não é apenas bom, mas fonte de milhares de coisas maravilhosas, e que eu tenho sim que desfrutá-lo e apreciá-lo. E que não tem nada de errado, de feio ou de sujo nisso.

Quando, há pouquíssimo tempo, comecei a agir dessa forma, a olhar pra mim mesma com mais amor, generosidade e leveza,  comecei a cuidar do meu corpo muito melhor, um cuidado que nada tem a ver com perfeição ou com padrão, mas sim com o zelo que temos com tudo aquilo que amamos.

Não faço a menor ideia de onde isso vai dar, mas garanto que tenho tido uma relação muito mais sadia, bonita e verdadeira com o meu corpo e comigo mesma, coisa que todas nós deveríamos ter aprendido desde o começo.

Beijos, Ju♥

Ei, vamos ficar juntinhas nas redes sociais⇒ Instagram ♥ Snapchat ♥ Twitter ♥ Pinterest ♥Facebook⇒ @jurovalendo

Vizcaya
01.04.2016

Você, a pessoa mais importante da sua vida

Sempre!

Tem coisas que, de tão óbvias, a gente já deveria “nascer sabendo”, mas, na grande maioria dos casos, é preciso uma vida inteira pra aprender, e uma delas é que a pessoa mais importante da sua vida é você.

Eu sei que, a primeira vista, até por causa da nossa cultura, pela forma como fomos criadas, parece egoísmo, já que fomos educadas para servir, para agradar, para, simplificando, ficar em último lugar. Mas não, não é, e sabe porque? Porque se você não se colocar em primeiro lugar, se você não se priorizar e fizer primeiro por você, não tem como fazer pelo outro, porque, como já disse por aqui, a gente só dá o que tem, o que é, e se você tá lá em último lugar no seu pódio pessoal, você vai dar o que para os outros?

a pessoa mais importante da sua vida

A sobra da sobra do que você deveria ser, mas não é.

E nem vem com esse papo de que isso é coisa de leonino egocêntrico, como me disseram dia desses. É puro bom senso e, claro, autoamor.

E, olha, eu sei que não é fácil chegar nesse “entendimento”, eu sei. A gente passa a vida toda tentando ser bom o bastante pra todo mundo, tentando agradar a todos e acabamos sempre em último lugar. Nós sacrificamos a nós mesmas muitas e muitas vezes, sem sequer percebermos, pra viver de acordo com o que esperam de nós, e quando, no fim, olhamos pra dentro com muita sinceridade, percebemos que não fomos boas o bastante com nós mesmas.

E isso é tão, tão triste…

E falo isso porque, como quase todo mundo, passei a vida inteira sendo exatamente assim, e quando finalmente entendi que isso estava errado e comecei a mudar, o choque das pessoas ao redor foi enorme, e elas começaram a cobrar, e nisso eu “perdi” muita gente, mas ganhei a mim mesma, e isso não tem preço, porque é exatamente como diz a Clarissa Pinkola Estes em Mulheres Que Correm Com os Lobos: “ser nós mesmas faz com que nos isolemos de muitos outros e, entretanto, ceder aos desejos dos outros faz com que nos isolemos de nós mesmas.”

a-pessoa-mais-importante-da-sua-vida

E eu não quero, nunca mais, me isolar de mim mesma. Eu quero, cada vez mais, gostar de mim, fazer por mim, me respeitar e me aceitar incondicionalmente, exatamente como eu sou. Eu quero e vou, sempre, me colocar em primeiro lugar, e você deveria fazer o mesmo.

Porque sim, você é a pessoa mais importante da sua vida. Porque você não está aqui para satisfazer ao ideal de ninguém. Porque você não deve ser o que querem que você seja. Porque você não precisa vestir uma máscara social. Porque você precisa ser autêntico, ser verdadeiro. Porque você precisa ser você, apenas isso.

Beijos, Ju♥

05.10.2015

Celebre sua beleza, não suas (supostas) imperfeições

o #100DiasDeBeleza voltou!

Ontem passei o dia todo na piscina, aproveitei pra reler um livro que já indiquei por aqui e que gosto muito, o “Você pode ser feliz sem ser perfeita“, e decidi que eu precisava voltar com o #100DiasDeBeleza, precisava bater com muito mais força na tecla da aceitação e da autoestima, porque não tenho mais paciência pra essa obsessão pela perfeição física, pra esse tanto de revista, de filme, de programas de televisão, de instagram e de blogs que não fazem nada além de transmitir, de forma clara ou velada, a mensagem de que, a menos que você se encaixe nos padrões que algum babaca criou e que meio mundo celebra, você não serve.

Pensei em várias coisas pra falar por aqui hoje, mas li e reli algumas vezes o capítulo 5 do livro, que, aliás, tem (quase) o mesmo título desse post, e resolvi começar por essa mensagem, que é simples, mas valiosa: celebre sua beleza e não suas (supostas) imperfeições!

Celebre-sua-beleza

Celebre sua beleza o dia todo, todo dia!

É normal que, num mundo onde se é bombardeado todos os dias por imagens de mulheres fantásticas, talhadas no photoshop ou na mesa do cirurgião, com cabelos que brilham mais que purpurina, com corpos irretocáveis, com rostos de boneca e com tudo absolutamente perfeito, a gente comece a achar que isso aí é o esperado, que é isso que a gente tem que ser.

E aí começa o surto, porque sim, pra mim isso é um surto: comece a passar fome e a viver de folha, clara de ovo e batata. Largue de ser “preguiçosa” e se acabe na academia. Se vire pra ter um cabelo de capa de revista, dentes que mais parecem chiclete de caixinha de tão brancos e roupas de editoriais de moda. Ande sempre maquiada, com “a maquiagem” do momento. Tenha a pele de boneca de cera, sem manchas, marcas e, claro, poros.

Celebre sua beleza

Isso não deu resultado? Venda os rins e faça todos os tratamentos que saiu na última edição da sua revista preferida. Não funcionou? É porque você se esforçou pouco, menina! Tá na hora de se endividar ainda mais e partir para as plásticas ou pra qualquer outra coisa que te faça “caber” dentro do padrão de beleza que a mídia não só estabelece, mas cobra e celebra.

E sabe o que essa cobrança toda faz? Além de minar sua autoconfiança, ela gera uma sensação de inadequação absurda, um senso de inferioridade enorme e um sentimento constante de que você não é boa e bonita o bastante. E isso tudo impede uma quantidade imensa de mulheres de viverem uma vida de verdade, felizes com o que são, com o que têm, amando seus corpos e a si mesmas.

E como mudar esses tais desses padrões é uma coisa que leva tempo e depende dos outros, que tal fazer algo que depende, sobretudo, de você?

celebre sua beleza

Isso se faz, primeiro, entendendo que perfeição não existe, que essa ideia é propagada aos quatro ventos pra que você fique insatisfeita com o que é e o que tem e gaste cada vez mais comprando tudo o que é “sugerido” pra que tenha um corpo perfeito, uma vida perfeita.

Depois é preciso aprender a se olhar no espelho não em busca de imperfeições, mas em busca daquilo que é bonito em você, e se você fizer uma lista vai se assustar ao perceber que as coisas que você gosta estão em quantidade muito maior do que as que não gosta.

E é nisso, no que existe de bonito em você, que você precisa focar. É isso que você precisa celebrar. Celebrar a sua beleza, que é única,  se aceitar por completo, abraçando as próprias imperfeições, que, sim, todo mundo tem, e se amar por inteiro.

Tente, eu garanto que vai fazer muita diferença!

Celebre-sua-beleza

#100DiasDeBeleza

Pra entender direitinho o que é o #100DiasDeBeleza e acompanhar os posts é só clicar aqui. A ideia inicial era fazer esse projeto em 100 dias, mas percebi que fica complicado fazer 1 post sobre isso todos dias, porque não é todo dia que tô “inspirada”, então me comprometo a “abastecer” a tag aqui no blog pelo menos duas vezes por semana, e ir batendo nessa tecla todos os dias nas redes sociais, e em todas (instagram, snapchat, twitter, facebook, pinterest e G+) nós somos “JuroValendo”, tá?

Quero aproveitar pra pedir que vocês deixem aqui nos comentários sugestões de temas que queriam ver no #100DiasDeBeleza, e se gostaram da ideia dessa tag cliquem no coraçãozinho aí embaixo, ele é meu termômetro, é como sei de qual tipo de post vocês gostam mais!

E vou deixar uma listinha de posts que eu acho que vocês deveriam ler:

Beijos, Ju♥

O que você acha do JV?
Eu simplesmente amo esse blog!!! Já perdi a conta de quantos produtos comprei depois de ver resenhas daqui, porque sei que são reais. Bioextratus foi…