06.02.2019

Permita-se! Já Tentou?

Lembro que no final de 2017 escrevi na minha agenda 3 “direcionamentos” pra 2018: permita-se, arrisque-se e confie.

O problema é que eu, metódica toda, levo a sério meus direcionamentos. E esses três, de uma só vez, pra uma pessoa extremamente controladora, parecia piada.

Na minha cabeça existia um roteiro da vida que eu queria pra mim, e acho que é uma coisa boa, porque foi assim que consegui traçar os caminhos que precisariam ser percorridos para realizar meus sonhos e alcançar meus objetivos.

Há tempos tenho muito claro o que quero, como quero, quem quero por perto, o que e quem deve ou não participar da minha vida e por aí vai.

permita se

Então, essa história de arriscar, confiar e permitir era, pra mim, um desafio imenso, e achei, de verdade, que a coisa não daria muito certo.

Acontece que, de alguma forma que não tenho como explicar, no momento em que confiei, cambaleante, e comecei a fazer, muitas coisas começaram a acontecer, e não deu tempo de me arriscar ou permitir, a vida simplesmente me colocou, dia após dia, em situações em que isso nem era mais uma escolha, sabe como é?

Era arriscar ou arriscar. Permitir ou permitir. E tudo muito rápido, de uma só vez.

E de repente todo o controle que eu, arrogantemente, achava que tinha sobre todas as coisas foi por água abaixo. Me vi sem minha barra de segurança, mas um outro mundo se abriu em minha direção.

Na imensa maioria das situações não fazia ideia do que fazer, só dizia sim pra mim, pra me arriscar, me permitir. E nisso, óbvio, errei muitas vezes, me senti desconfortável tantas outras, perdi a razão, não medi as consequências, meti o pé pelas mãos.

E aprendi. Meu Deus, como aprendi. Mas também acertei. Acertei demais… Comigo, com a vida, com a minha vida.

Em muitos desses momentos, com a vida me virando de cabeça pra baixo em tantos aspectos, senti um medo profundo, mas ao invés de bater de frente e “cair pra cima”, comecei a fluir com o medo, com o pavor, enfrentando se brigar, me debater ou me desesperar, e atravessei o ano com uma certeza: nada, absolutamente nada em mim foi covarde.

Isso me transformou de tantas formas que até hoje não consigo mensurar. Nunca me senti tão forte como nesse momento. Forte o suficiente pra conseguir enxergar centenas de coisas que passaram uma vida aqui dentro, trancadas.

Forte pra aceitar que sim, vou me sentir vulnerável em muitos momentos, posso me debater, sem saber o que fazer, em outros, e tá tudo bem, porque a vida é isso mesmo. A gente muda, as certezas mudam e, num piscar de olhos, o que era já não é mais, e a gente tem que começar tudo de novo.

Tô sentindo coisas que nunca senti. Vivendo o que nunca vivi. Olhando pro meu caos interno com mais gentileza e, porque não, “diversão” e leveza, muita leveza…

permita se

Tá tudo bem não ter tantas certezas ou, como achava ser possível, a rédea do mundo nas mãos. Tá tudo bem estar em transição. Ou, como não me deixa esquecer uma das últimas coisas que marquei no corpo, estar “atravessando”.

Afinal, estamos aqui, também, pra isso, não?

Pra ver outros posts do mulher de 30 é só clicar aqui, e um que indico demais é o “Você Se Permite Merecer?”, clica pra ler!

Beijos, Ju♥

Quer mais dicas como essa? Siga nossas Redes Sociais ⇒ Instagram ♥ Twitter ♥ Pinterest ♥Facebook⇒ @jurovalendo

Escreva seu comentário

* Preenchimento obrigatório. Seu email não será divulgado.
Quer que sua foto apareça no comentário? Clique aqui.
10 comentários
  1. Sheila  07/02/2019 - 20h42

    Ju, amei esse post!

  2. Luciana Freitas  08/02/2019 - 07h05

    Ju, você tem que escrever um livro, minha linda.
    Pensa com carinho… rs

  3. Lidy Pinheiro  08/02/2019 - 11h08

    Meu Deus!! Que coisa mais linda de ler, forte e emocionante. É por isso que te admiro, é por isso que amo ser sua leitora, é por isso que amo você. ❤

  4. Nádia  08/02/2019 - 16h24

    Amei o texto, Ju…Fazia tempo que não acessava teu blog. Hoje me lembrei que em 2015 estava passando por um momento desafiador, quando li um texto tão bonito e tão tocante aqui… gostaria de encontrá-lo novamente depois de tantos anos e tantas transformações. Hoje não foi diferente…Não por acaso acessei teu blog e li esse texto, com palavras que tocaram mais uma vez: permita-se, arrisque-se, confie.
    Você é luz! E que irradie cada vez mais essa sensibilidade.
    Beijão

  5. Murielle  08/02/2019 - 20h08

    Adorei o post, gosto bastante dos posts do mulher de 30!
    Achei suas tatuagens lindas. Pesquisei, mas não consegui entender muito bem o significado do b’shert…em alguns lugares eu vi como se fosse algo como procurar sua alma gemea, em outros como se fosse ” predestinação”…
    Fiquei confusa, mas ainda curiosa! hahahaah
    Então, qual o significado de b’shert?
    bjos

    • Ju  11/02/2019 - 19h46

      Oi Mu!
      É mais ou menos “predestinação”, situações, lugares e pessoas que a gente precisa encontrar, viver… <3

  6. Elaine  09/02/2019 - 10h38

    Que post lindo amei, super me inspirou . Conseguiu descrever o que muitas de nós sentimos, este momento de transição!
    Concordo também que você deveria escrever um livro.

    Bjos!

  7. Natalie  09/02/2019 - 17h29

    Esse tipo de texto, é um carinho na alma! ❤️

  8. Priscila Honnda  11/02/2019 - 17h24

    Que lindo seu texto Ju

  9. Emanuelle  14/02/2019 - 21h10

    Ju,

    Acho que suas palavras sairam da minha boca, de tanta identificação!

    Que post lindo, generoso, sensível…. É exatamente isso: tudo bem não ter as rédeas do mundo.

    Beijos, querida!

O que você acha do JV?
Ju, amo seu blog!!! suas dicas!!! vc é maravilhosa com sua opinião honesta!!! Sempre quando quero comprar algum produto venho aqui pra ver o que…