Vizcaya
29.08.2013

Cuidados Antes da Progressiva

Antes de começar, já aviso logo: sou absolutamente contra progressiva por vários motivos, e já fiz alguns posts explicando AQUI, AQUI e AQUI.

Mas como sei que muitas de vocês fazem e vão continuar fazendo, quero que isso seja feito da melhor maneira possível, então decidi fazer uma série de posts sobre cuidados antes e depois da progressiva, tá?

A progressiva, ao contrário do que muita gente pensa, não trata o cabelo, que parece ficar mais brilhoso e macio porque o fio está encapado. Só que, quando o efeito passa, o cabelo está muito pior do que antes. A grande maioria não consegue notar isso porque refaz a progressiva antes que ela mostre sua “verdadeira face”, mas em pouco tempo o cabelo vai afinando, ficando poroso e quebrando facilmente.

escova progressiva

Não acho que os cuidados antes da progressiva evitem que o cabelo passe por esses problemas que falei acima, mas eles reduzem os problemas, sobretudo no caso da primeira progressiva.

Pra começar, apesar de todas afirmarem que são compatíveis com todos os procedimentos químicos, não acreditem e façam o teste da mecha, até porque é  ele que vai determinar se o cabelo vai aguentar ou não a progressiva.

Você já tem alguma química no cabelo? Qual? É muito importante informar isso pra pessoa que vai aplicar a progressiva no seu cabelo, pois alguns ativos são incompatíveis com outros, e incompatibilidade química gera corte químico, que, pra quem não sabe, faz com que os fios se partam no local onde a química foi aplicada. Ou seja, seu cabelo vai cair e ficar elástico, e recuperar um cabelo assim demanda muito tempo e dinheiro.

Todos os ativos, de todas as progressivas, são danosos, porque nenhuma delas é clara  quanto aos ativos que alisam, até porque o que alisa é determinado pela Anvisa, e não existe nenhuma progressiva que contenha os alisantes permitidos pela Anvisa.

cuidados antes da progressiva

Contudo, tenham MUITO cuidado com o ácido glioxílico, que está presente na grande maioria das progressivas, selagens e botox capilar, porque esse ativo, que é da família do formol, é extremamente instável e causa corte químico, inclusive em cabelos saudáveis, e falo isso por experiência própria, pois causou no meu. Além de me fazer perder dois palmos de cabelos, o ácido glioxílico queimou o meu couro cabeludo e me deu uma alergia grave.

Saindo dos ativos, vamos para algumas observações básicas:

1- O cabelo está fraco, quebrando ou poroso? Não alise! Progressiva não trata (nenhuma progressiva trata cabelo), e mesmo que o cabelo não arrebente todo após a progressiva, quando o efeito passar o resultado será desastroso, porque ele estará muito pior. Portanto, recupere o cabelo antes pra não se arrepender depois!

2-Dez dias antes da progressiva  faça uma reconstrução potente!  O ideal é começar a tratar e reconstruir o cabelo bem antes, mas, não sendo possível, faça pelo menos uma reconstrução antes da progressiva. A reconstrução vai fortalecer o cabelo, doando aos fios nutrientes essenciais que garantem a integridade da fibra capilar após o processo de alisamento. Isso ajuda a minimizar os danos que o cabelo vai sofrer, e como cabelo encapado não absorve corretamente os nutrientes, é a oportunidade que você tem de tratar o cabelo, porque depois da progressiva todo tratamento será superficial.

escova progressiva

3- Não pinte ou faça mechas no mesmo dia da progressiva! O cabelo precisa de, pelo menos, 20 dias de intervalo entre uma química e outra, e isso vale para qualquer química capilar.

4- Escolha muito bem a pessoa que vai aplicar a progressiva no seu cabelo, porque a coisa pode ficar muito pior se a aplicação for feita por quem não tem conhecimento e, pior, experiência, já que problemas podem acontecer e a pessoa precisa ter conhecimento suficiente para agir em uma situação dessas!

Por exemplo, se o cabelo começar a partir, a pessoa precisa, imediatamente, aplicar um produto, como o Extreme Up, que reduza os danos.

Daqui a pouco falo sobre os cuidados após a progressiva!

Beijos

Ju

Vizcaya
06.08.2013

Ácido Glioxílico e Escovas Milagrosas: Porque Não Usar?

A  pergunta que mais recebo aqui é sobre uma progressiva boa e sem formol. Já falei sobre isso diversas vezes e já fiz dois posts aqui no blog sobre o assunto (AQUI e AQUI).  Mas, diante de tantas perguntas resolvi explicar de forma mais clara porque isso é uma furada e porque estar registrado pela ANVISA não quer dizer absolutamente nada. E sim, ácido glioxílico também é furada!

Seja escova progressiva, selagem ou  botox capilar, se promete fios lisos por até três meses e tem compatibilidade com todas as químicas, pode ter certeza que tem alguma coisa errada. Porquê?  Porque isso é impossível, a menos que o ativo “alisante” seja o formol, seus derivados ou substâncias que atuem juntas e funcionem como ele.

Sobre o ácido glioxílico

Ácido Glioxílico

O fato de ser certificado pela ANVISA não garante nada, aprendam isso. Infelizmente todos esses produtos estão registrados na ANVISA como grau 1, ou seja, o mesmo grau do condicionador, do shampoo e das máscaras que você usa. Esse processo de liberação do registro é feito pela internet através de um formulário eletrônico. Ou seja, basta que a marca informe qual é a composição, solicite o registro como tratamento para os cabelos, pague as taxas e assine um termo dizendo que trata-se apenas de um tratamento. Fácil, né?

Traduzindo, é isso: não existe controle e cada um faz o que quer, é só colocar que é um tratamento, e a imensa maioria ( pra não dizer todas) das marcas que comercializam essas escovas e selagens fazem isso. Simples!

Daí, as empresas informam que é tratamento, e colocam algum dos ativos da família do formol, como o ácido glioxílico, que nada mais é do que um ácido formilfórmico, que age alterando a estrutura dos fios, já que abre as cutículas, rompe as pontes de enxofre e “alisa” o cabelo ( o ácido glioxílico é o mais simples dos ácidos-aldeídos, e essas escovas geralmente levam ácido lático, porque a reação de um com o outro gera a liberação de moléculas de formol quando submetidos ao calor térmico).

Ácido Glioxílico

Ácido glioxílico alisa o cabelo?

O problema é que se existe alteração na estrutura dos fios, qualquer que seja, o produto tinha que ser grau II, que é onde estão os alisamentos e relaxamentos.

Tá, mas isso tem algum perigo? CLARO que sim! Primeiro a empresa mentiu pra Anvisa e não passou por nenhum tipo de teste.  A cobaia, amiga, é você. Segundo, ela mentiu pra você.

Você vai mesmo confiar? Quer ser cobaia de marca que não te respeita e que mente pra você? Que mente pra Anvisa? Se está mentindo, aí tem, né? Porque se tivesse tudo certinho, ninguém precisaria mentir.

Nenhuma marca top tem escova progressiva… Já perceberam isso? Vocês acham que se  existisse algo que alisasse o cabelo por até três meses e fosse compatível com todas as químicas, as grandes marcas, como a  L´Oréal, que trabalha com alisamentos, não teria lançado a sua e desbancado todas as outras?

É só raciocinar um pouquinho pra ver que tem coisa errada aí…

Ácido Glioxílico

Ácido glioxílico é seguro?

Eu sei que muita gente usa e diz amar nas primeiras vezes, mas eu quero saber é dos resultados a longo prazo, porque todos os cabelos que eu vi, e eu vi muitos, se acabaram com escova progressiva, selagem e botox, inclusive o meu, que caiu pela metade no fim do ano passado por causa de uma suposta selagem que, pelo rótulo, não tinha nenhuma substância derivada do formol, e prometia tratar o cabelo. Só que até isso era mentira, porque eu tive uma reação alérgica grave, meu couro cabeludo queimou e foi preciso entrar em contato com a marca, que só assim informou que o ativo utilizado era o tal do ácido glioxílico.

Claro que cabe a vocês decidirem o que fazer com seus cabelos, mas a minha função é alertar para a realidade, e a realidade é que todas elas são mentirosas.

Todo dia chega alguém aqui no blog pra falar de uma suposta escova milagrosa, que faz sucesso no país A ou no país B e que é livre de formol e derivados… Daí eu pergunto qual a composição e qual o registro, porque se for registrada como grau I, não pode prometer alisar, porque se promete alisar vai alterar a estrutura, e se altera a estrutura é grau II. Aí a pessoa ou some ou começa a discutir, a dizer que eu deveria ir “pesquisar”.

Ácido Glioxílico

Usar ou não usar escovas com ácido glioxílico?

Várias empresas já entraram em contato comigo pra publis com essas escovas, várias. Mas TODAS desaparecem depois que digo que faço sim, mas que primeiro vou enviar o material pra análise no laboratório da universidade daqui… Interessante, não? Eu acho…

Além de interessante, é revelador. Afinal, quem não deve, não teme, né?

Por fim, a Anvisa já se pronunciou sobre isso, alertando que  os produtos indicados para alisar os cabelos são os que contém as substâncias permitidas para alisamento  (grau 2). Quais substâncias são essas?  O tioglicolato de amônio, hidróxido de sódio, hidróxido de potássio, hidróxido de cálcio, hidróxido de lítio e carbonato de Guanidina/ Hidróxido de Guanidina.

Dessa forma, qualquer produto que prometa alisar e não tenha essas substâncias não é autorizado para tal fim.

E, gente, cada um faz o que quiser, jamais apontaria o dedo pra ninguém por qualquer motivo. Só acho que é nosso direito fazer escolhas tendo as informações corretas.  E é isso que nós não temos. É por isso que brigo, que bato nessa tecla sempre.

E a (ir)responsabilidade disso é das marcas. Simples assim.

Beijos, Ju

Quer mais dicas como essas? Vamos papear nas redes sociais⇒ Instagram ♥ Snapchat ♥ Twitter ♥ Pinterest ♥Facebook⇒   @jurovalendo

25.04.2013

Quando o Corte Químico Aconteceu Comigo

Depois da descoloração para as novas luzes, que contei pra vocês,  e de um procedimento para selar as cutículas do cabelo (que é fino, liso e ralo, como vocês já sabem), o corte químico aconteceu comigo!

Nunca pensamos que vai nos acontecer com a gente, mas  aconteceu e eu não conseguia  acreditar! A raiz ficou oleosa, o comprimento embaraçado e as pontas ressecadas, finas e partidas, e isso sem contar a parte de baixo, onde o cabelo quebrou no comprimento e ficou na altura da nuca, ou seja, meu cabelo que já é ralo e ficou mais ralo ainda.

Graças à Deus a quebra foi nos fios de baixo, na nuca, se fosse nos fios que aparecem ou na raiz, estava perdida.

Quando o Corte Químico Aconteceu Comigo

corte químico aconteceu

Para selar as cutículas, foi utilizado um produto a base de açaí, no entanto, um dos ingredientes era o ácido glioxílico, que elevado a altas temperaturas  age como o formol.

E sim, era mesmo um corte químico! A Ju ajudou-me a aceitar isso, contei todos os “sintomas”, inclusive uma alergia respiratória que sofremos meu marido e eu.

O primeiro conselho foi o de tomar anti-alérgico, já que, além da irritação respitarória, também estava com a cabeça coçando e o couro cabeludo descamando.

Minha intenção não era alisar o cabelo, era apenas selar as cutículas e tratá-lo, já que tinha pegado pesado com a descoloração. E, com isso,  acabei estragando meu cabelo!

Corte Químico aconteceu comigo

Corte Químico : Pill food ajuda!

Pensei em escurecer o tom e cortar na altura do ombro, mas isso durou só uns 5 minutos de loucura, não me vejo mais com o cabelo escuro, nem curto.

Eu já tomo Pill Food e suplemento a alimentação com aminoácidos, vitaminas e proteínas. Além disso, tenho ótimos produtos e sim, tinha um cabelo saudável e bonito. Não tinha que ter inventado nada.

Na verdade, não sei se vocês já se sentiram assim, mas parece que tudo o que tem no cabeleireiro é melhor do que  temos em casa, e nem sempre é assim.

Serviu a lição, agora é recuperar o cabelo, que já está reagindo muito bem, dar uma pausa maior no retoque da raiz e criar juízo!

Já aconteceu com vocês?

Beijos, Dani

O que você acha do JV?
Ju, amo seu blog!!! suas dicas!!! vc é maravilhosa com sua opinião honesta!!! Sempre quando quero comprar algum produto venho aqui pra ver o que…